MCTI cria programa de desenvolvimento da Fotônica


O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) publicou hoje, 10, portaria que instituiu a Iniciativa Brasileira de Fotônica (IBFóton). O programa tem objetivo de acelerar o desenvolvimento de tecnologias ópticas no Brasil em diversas áreas, inclusive em comunicações e tecnologia da informação.

PUBLICIDADE

Conforme a Portaria 4.532/21, serão priorizados os seguintes setores: Comunicações e Tecnologia da Informação e Comunicação, Saúde, Energia, Agricultura, Meio ambiente, Indústria, Defesa, Mobilidade e Educação; e as seguintes tecnologias: Fibras Ópticas, Dispositivos Fotônicos, Integração Híbrida, Óptica Integrada, Dispositivos Optoeletrônicos, Sistemas e Redes de Comunicações Ópticas, Lasers, Materiais Avançados para Fotônica, Nanofotônica, Plasmônica, Ópticas Clássica, Quântica e Não Linear, Instrumentação Óptica, Espectroscopia, Metrologia, Sensores, Displays e Iluminação.

A iniciativa prevê o fomento à formação e capacitação profissional e modernização de centros de Fotônica existentes no país, entre outros pontos. Segundo a portaria, caberá ao CNPq, à Finep, à Embrapii e às unidades do Sistema Nacional de Laboratórios em Fotônica (criado hoje pela portaria 4.530/21), atuarem como agências de fomento voltadas aos objetivos da iniciativa.

A Secretaria de Empreendedorismo e Inovação (SEMPI) do MCTI será responsável pela gestão da IBFóton. A portaria passa a valer em 1º de abril.

A Fotônica é o campo da ciência dedicada a estudar a luz, sua geração, detecção e manipulação da emissão, transmissão, modulagem, processamento de sinal, amplificação e sensoriamento. A Fotônica é uma tecnologia estratégica que viabiliza setores como o das telecomunicações, entretenimento, informática, indústrias automobilística, farmacêutica, metal-mecânica, aeronáutica, naval, entre outras. Nas telecomunicações, por exemplo, as redes ópticas viabilizam as comunicações em altas taxas de transmissão.

A portaria pode ser lida aqui.

Anterior Brasil TecPar compra mais um ISP no Rio Grande do Sul
Próximos Câmara retira livre uso dos fundos setoriais previsto na PEC Emergencial