MCTI aposta em recorde de aporte não reembolsável do FNDCT em 2022


O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, Paulo Alvim, disse ao Tele.Síntese que a Pasta vai bater recorde de investimento não reembolsável em 2022 em função da Lei 177/21, que proibiu o contingenciamento de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT).

PUBLICIDADE

Há duas semanas, o Comitê Gestor do fundo se reuniu e aprovou a destinação de R$ 1 bilhão para esta modalidade neste ano – ainda uma fração dos R$ 4,6 bilhões previstos na Lei Orçamentária. O montante autorizado não é diferente do reservado em anos anteriores, nem vai sanar a fila de iniciativas que lutam por dinheiro para se tornarem realidade. Mas a expectativa é de que, em razão da nova lei, o total seja de fato investido em projetos de pesquisa e inovação.

Em 2021, o FNDCT reservou também R$ 1 bilhão para a subvenção econômica, mas pagou apenas R$ 504 milhões.

Vale lembrar ainda que o orçamento deste ano prevê o uso de R$ 9,2 bilhões do FNDCT para o fomento a ciência, incluindo pesquisas em informática, telecomunicações e tecnologias digitais como Inteligência Artificial.

Do orçamento total, metade pode ser utilizados para financiar projetos, e metade a fundo perdido. Por enquanto, o Comitê Gestor aprovou o empenho de R$ 6 bilhões no total, dos quais R$ 5 bilhões para empréstimos a empresas desenvolvedoras de tecnologia, e aquele R 1 bilhão não reembolsável.

“Nossa expectativa, no entanto, é que R$ 3 bilhões dos recursos reembolsáveis sejam utilizados. Até este momento do ano, destinamos R$ 600 milhões”, ressaltou Paulo Alvim, durante evento de inauguração do laboratório do TIP no Inatel, na sexta-feira, 8.

Demanda

Demanda, especialmente por recursos não-reembolsáveis, existe. Apenas 19,1% do dinheiro de 2021 foi utilizado para novas iniciativas. O restante foi para pagamentos da carteira de projetos contratada em anos anteriores e projetos em fase de contratação, mas cuja seleção começou também em anos anteriores.

Alvim diz que este ano o MCTI vai realizar 200 chamadas públicas. Cada uma pode contemplar múltiplos projetos. Mas reconhece que a demanda reprimida por fundos para inovação é grande. Uma das chamadas já realizadas, com R$ 180 milhões em recursos, contemplava iniciativas em institutos de pesquisa. O MCTI recebeu 80 propostas, que se somadas precisariam de R$ 1 bilhão para ser executadas. “Agora isso vai passar por uma análise e seleção”, falou.

No setor de telecom, já foram reservados R$ 100 milhões para bancar a pesquisa e desenvolvimento de soluções Open RAN. A RNP coordena o projeto, que já tem entre os consorciados Inatel e CPQD. Neste ano de 2022, o rapasse à iniciativa será de R$ 32 milhões.

R$ 25,4 bilhões nunca mais voltarão

Por causa da PEC Emergencial proposta pelo governo em 2021, R$ 25,4 bilhões que estavam guardados no fundo foram integralmente repassados ao Tesouro e utilizados para o pagamento da dívida brasileira. Dinheiro que deixou de ir para pesquisa e inovação, portanto.

Com isso, o único recurso em 2021 que sobrou veio dos rendimentos financeiros, que somaram R$ 1,54 bilhão. Ano passado, o fundo bateu recorde de arrecadação e somou mais de R$ 10 bilhões – repassados totalmente para pagamento de dívida do governo.

PUBLICIDADE
Anterior Gaispi escolhe conversores para migração, mas prazo do 5G preocupa
Próximos Big techs dominam ranking de marcas mais influentes da Ipsos