MCom: ‘PEC emergencial tirou pressão da PEC dos fundos’


Crédito: divulgação
Crédito: divulgação

Uma discussão antiga nos bastidores do governo parece já não estar tão aquecida. A Proposta de Emenda Constitucional dos fundos públicos, apresentada em 2019, não caminha para uma aprovação ou rejeição tão rapidamente como antes.

Isso acontece porque a PEC Emergencial foi aprovada e a utilização dos recursos dos fundos públicos sacramentada. . A observação é de Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações  do Ministério das Comunicações, que participou do Inovatic nesta segunda, 25.

PUBLICIDADE

“Essa PEC previa extinção dos fundos, se não houvesse lei complementar. Impressão que tenho é que com a PEC emergencial,  que passou há algum tempo, essa PEC dos fundos perdeu a pressão”, disse Coimbra.

Ele não arriscou uma previsão. “A tramitação não está tão veloz, mas não se se vai andar”, falou o secretário do MCom.

Reversão e sobrevivência

Em novembro de 2020, o próprio Artur Coimbra afirmou que a Lei do Fust sobreviveria mesmo se o fundo acabasse. A proposta está parada no Congresso.

O INOVAtic é um evento do Tele.Síntese e terá prosseguimento até quarta-feira, 27, com a participação de mais de 20 debatedores. Nessa versão, estão reunidos ISPs, fornecedores, distribuidores e operadoras que atuam nas regiões Sul e Sudeste do país. 

PUBLICIDADE
Anterior SES-17 é lançado com sucesso no foguete Ariane 5
Próximos V.tal mantém previsão de aval da Anatel à venda do controle na virada do ano