Mapa de aglomerações passa a mostrar isolamento por bairro


As operadoras de serviços móveis de telecomunicações começaram a oferecer na última sexta-feira, 10, uma visão mais detalhada da plataforma Mapas de Calor que vai auxiliar governadores e prefeitos, que aderiram à ferramenta, a identificar pontos de aglomeração de pessoas, além dos índices de isolamento que vêm sendo medidos desde o início da pandemia.

A ferramenta Big Data de Mapas de Calor foi desenvolvida pelas operadoras Claro, Oi, TIM e Vivo em conjunto com a ABR Telecom, e sob a coordenação do SindiTelebrasil, fornece os dados de forma gratuita para o combate à Covid-19.

PUBLICIDADE

“Antes a plataforma mostrava apenas o índice de isolamento global do município, agora, com os novos índices de aglomeração, aumenta a granularidade e será possível ver bairros, zonas específicas, em áreas menores, divididas em quadrantes de quatro quilômetros quadrados, para verificar a evolução de aglomerações”, explicou o presidente executivo do SindiTelebrasil, Marcos Ferrari.

Ele avalia que neste momento, em que se tem a retomada gradual das atividades, essa ferramenta vai auxiliar governadores e prefeitos na tomada de decisões. De forma retroativa, os índices de aglomeração estarão disponíveis a partir de 15 de maio.

Quem tem acesso

Têm acesso à plataforma estados, capitais e municípios com mais de 500 mil habitantes que assinem com as operadoras acordo de cooperação técnico. Até o momento, estão usando a plataforma 17 Estados e 22 municípios.

São eles: Alagoas, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Sergipe e São Paulo. E as prefeituras de Aparecida de Goiânia (GO), Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Betim (MG), Campinas (SP), Campos dos Goytacazes (RJ), Feira de Santana (BA), Florianópolis (SC), Jaboatão dos Guararapes (PE), Joinville (SC), Juiz de Fora (MG), Londrina (PR), Macapá (AP), Maceió (AL), Porto Alegre (RS), Recife (PE), Rio de janeiro (RJ), Salvador (BA), Santo André (SP), Serra (ES), Teresina (PI) e Uberlândia (MG).

Período de referência anterior à quarentena

A ferramenta segue os critérios já definidos para a plataforma. Deste modo, possui dados estatísticos, agregados e anônimos, a partir da quantidade de celulares que estão conectados a uma determinada antena. Além de não se tratar de dados pessoais, as informações seguem estritamente a legislação aplicável, inclusive a Lei Geral de Proteção de Dados.

Para medir os índices de aglomeração, foi considerado um período de referência anterior à quarentena, de 1º a 14 de março de 2020. Neste período foi tirada uma média diária do número de celulares que estiveram conectados a uma determinada antena.

As cidades foram mapeadas por quadrantes de quatro quilômetros quadrados. A plataforma permite que em cada quadrante desses seja possível comparar os índices atuais com os do período de referência. E, a partir daí, confirmar se há mais, igual ou menos aglomeração.

Os mapas de calor mostram agora os índices comparativos de concentração de massas evidenciados por cores. E além da área, podem também ser selecionadas outros filtros de comparação, como horários. (Com assessoria de imprensa)

Anterior ClearSale anuncia criação de holding
Próximos Nokia anuncia upgrade de software para migrar rádios 4G para a 5G