Mais de 70 órgãos do governo aderiram a contratos multinuvem


Mais de 70 órgãos do governo aderiram a contratos multinuvem
Mais de 70 órgãos do governo aderiram a contratos multinuvem Credito: Freepik

Mais de 70 órgãos do governo assinaram contratos multinuvem, nos últimos 12 meses, com a empresa Extreme Digital Solutions (EDS), vencedora da licitação de serviços de computação em nuvem pública. O valor do contrato corresponde a R$ 147 milhões. A data limite para à adesão de órgãos públicos à essa ata foi na terça-feira, 3.

A quantidade de órgãos que assinaram os contratos superou as expectativas. Há um ano, o governo, ao fazer essa tomada de preços, previa uma adesão bem menor. Estimava-se que 52 órgãos aderissem a esse modelo.

PUBLICIDADE

O contrato multinuvem é um modelo que adota o uso de infraestrutura, plataforma e software como serviços. “Esse modelo de contrato, multinuvem é inédito no governo e trouxe economia de até 60% aos órgãos que aderiram”, diz Jonatas Mattes, fundador da O3S e diretor da EDS. Segundo ele, nesse modelo cabem até três provedores diferentes: Google, Amazon e Huawei, à escolha do usuário.

Benefícios

A multinuvem traz muitos benefícios tanto para os órgãos como para o cidadão. Os benefícios para o governo são: redução de custos, flexibilidade tecnológica, escalabilidade de recursos, rapidez nas implantações e redução dos riscos.

Segundo Mattes, a flexibilidade tecnológica se dá porque é possível contar com diferentes tecnologias, em diferentes provedores, sem ficar preso a uma determinada arquitetura ou conceito.

Além disso, a redução de riscos é outro ponto forte do contrato, porque há uma grande multifuncionalidade dos provedores, “como recursos de segurança, rapidamente disponíveis e frequentemente atualizados. Em casos recentes de ataques, observou-se que as falhas eram geralmente humanas, e não em razão da tecnologia. Mesmo assim, foi graças aos recursos das nuvens que as aplicações e dados foram rapidamente recuperados”, destacou.

Em relação aos benefícios aos cidadãos, Mattes menciona a digitalização. “Com esse tipo de contrato a população terá experiências digitalizadas, que implicam diretamente em suas vidas, como redução de filas, de deslocamento etc”.

PUBLICIDADE
Anterior Senacon multa a Oi em R$ 800 mil por cortar internet “ilimitada”
Próximos Gestão de risco é tema de debate do AGROtic