Lucro do Grupo Telefónica salta 20x na esteira de vendas e fusões


Joint venture no Reino Unido e venda de torres da Telxius inflam os resultados. Em termos operacionais, companhia registrou queda nas receitas. No Brasil, 5G da companhia foi ativado em 8 cidades, seguem pilotos em Open Ran e SDN em parceria com AWS e Google.

O grupo espanhol Telefónica, dono da Vivo no Brasil, divulgou hoje, 29, os resultados no segundo trimestre. Os números apontam para recordes resultantes da venda de ativos e parcerias firmadas ou concluídas no período. Assim, a holding registrou lucro líquido de € 9,98 bilhões entre abril e junho. Um ano antes, a rubrica fora de € 491 milhões.

PUBLICIDADE

Qualquer crescimento já era esperado em função de 2020 ter sido mais impactado pela pandemia de Covid-19. Mas a criação de joint venture com a Virgin Media no Reino Unido e a venda de torres por parte da Telxius, elevaram os ganhos do grupo, resultando no incremento de mais de 20x. A venda de 50% da Fibrasil foi concluída em julho, e deve portanto entrar no próximo balanço do grupo.

Os resultados operacionais, por sua vez, são mais modestos. As receitas do grupo espanhol encolheram 3,6% no trimestre, para € 9,96 bilhões. O lucro operacional antes de impostos, amortizações, depreciações (OIBDA) e sem considerar as vendas de ativos encolheu 4,7%, para € 3,27 bilhões. O endividamento líquido da companhia foi reduzido em € 11 bilhões no último ano, e agora é de € 26,2 bilhões.

Em termos de acessos, a Telefónica está em alta. Em junho a companhia tinha no mundo 343,47 milhões de clientes de varejo, 3,6% a mais que no fim do primeiro trimestre. A companhia perdeu clientes no telefone fixo e TV paga, mas cresceu na banda larga fixa em fibra e no celular. Contabilizando os acessos de atacado, o grupo fechou o trimestre com ganho de 3,7%, para 367,22 milhões de usuários.

++Veja aqui os resultados da Telefônica Brasil para o 2º trimestre++

Tecnologia

O grupo segue investindo em 5G nos países em que atua, especialmente na Europa. A Telefónica aposta no Open Ran, e avisa que pretende ter 50% da rede móvel adaptada ao padrão até 2025. Já estão em uso aplicações Open Ran no Brasil, na Alemanha, na Argentina e no Reino Unido. Nos próximos meses, será ativada a tecnologia na Espanha, para fins de piloto.

A empresa também informa que a rede 5G DSS no Brasil foi ativada em oito cidades. A implantação depende do leilão de espectro que ainda será realizado pela Anatel. Nos países onde novas frequências foram liberadas, a empresa está mais acelerada. No Reino Unido, cobre 190 cidades. Na Alemanha, 80.

A Telefónica também avisa que está fazendo testes com redes definidas por software em parceria com a AWS e o Google Anthos no Brasil, seguindo padrão de virtualização definido pelo Telecom Infra Project (TIP).

Anterior Ávato conclui conexão de Santiago, no interior do RS
Próximos Após concluir IPO, Brisanet estreia na B3