Lenildo Morais: Por que o Gerenciamento de Dados é tão importante?


*Por Lenildo Morais

Os dados podem representar um tipo de incômodo caro para a empresa. Governá-los não significa apenas processá-los e arquivá-los. É essencial gerenciar a segurança, a conformidade regulamentar e a segregação de acesso, sem considerar a corrida diária para resolver problemas causados pela má qualidade dos dados.

PUBLICIDADE

Governança de Dados é a definição das regras e o controle do gerenciamento de dados, em termos de planejamento, execução e monitoramento. Por trás da operação, há a estratégia. Governança de Dados, de fato, é a capacidade de gerenciar dados como um ativo corporativo real.

Em outras palavras, quanto ao gerenciamento de qualquer outro ativo, por exemplo, podemos pensar em um armazém, maquinário, um serviço inovador ou, em geral, qualquer outro elemento que tenha valor para a empresa, os dados também precisam de algumas regras básicas para que possam produzir valor econômico.

Fazer governança de dados significa utilizar a engrenagem organizacional para garantir que os dados sejam gerenciados corretamente. Isso significa criar despesas gerais para tarefas de gerenciamento? Não necessariamente. Certamente significa garantir que haja clareza:

  • No significado de cada dado;
  • Nas responsabilidades dos negócios e não na TI;
  • Nos critérios para definir um dado de qualidade;
  • Em garantir que tudo isso seja conhecido por toda a empresa.

É essencial intervir na cultura de dados de toda a organização, no comportamento das pessoas e nos processos de negócios. Mesmo antes de definir novos processos ad hoc, é, portanto, uma questão de verificar como os dados devem ser gerenciados nos processos existentes, de ter uma linguagem comum e de garantir que a equipe que lida com os dados tenha as habilidades certas.

Quais são os Benefícios

Os benefícios da introdução da Governança de Dados são múltiplos. O desafio, assim como o ponto de partida de um programa eficaz, é identificar os que estão mais alinhados com a sua empresa. Entre estes podemos citar:

  • Aumento de Rotatividade

A Governança de Dados solidifica soluções que apoiam diretamente os negócios que visam aumentar a participação de mercado, como algoritmos ou metodologias sofisticadas de precificação para personalizar a experiência do usuário.

  • Confiança

Um CEO e sua linha de frente podem confiar nos dados que eles utilizam para tomar decisões, aumentando assim a capacidade de resposta dos negócios.

  • Risco Reduzido

Ainda hoje, grande parte dos programas de Governança de Dados é impulsionada por necessidades relacionadas à segurança, privacidade e conformidade regulatória. Gerenciamento correto de dados significa ser capaz de identificar, monitorar e antecipar riscos.

  • Eficiência

Evitar desperdício e atividades de baixo valor agregado, como verificar a correção dos dados e corrigir erros.

  • Monetização

Criar produtos de dados para serem vendidos no mercado para outras empresas (por exemplo, podemos aqui pensar nos dados que as empresas telefônicas disponibilizam para rastrear o fluxo de pessoas em uma determinada área geográfica).

  • Disseminação de Conhecimento

Tornar público o conhecimento reduz os problemas relacionados às diferentes interpretações dos mesmos dados, mas também os custos relacionados à engenharia reversa do código do software para descobrir, por exemplo, como são calculadas as métricas utilizadas pela empresa.

  • Suporte para Programas de Negócios

A Governança de Dados intervém indiretamente para dar suporte aos programas estratégicos que estão em andamento na empresa, garantindo o gerenciamento correto dos dados.

A linha de negócios não se beneficia apenas com a governança de dados. As unidades de Sistemas de Informação, por sua vez, podem se beneficiar de:

  • Clareza

Definição mais clara das solicitações gerenciadas, graças à introdução de um dicionário de dados que torna claro e inequívoco o significado das informações.

  • Propriedade

Distinção de responsabilidades e atividades de TI em vez de linhas de negócios.

  • Integração

Integração mais fácil entre sistemas de informação e fontes de dados em constante mudança.

  • Cultura

Sensibilizar a empresa sobre a utilização correta dos dados e disseminação de uma cultura orientada a dados.

Como Introduzir a Governança de Dados de maneira Ágil em 5 Etapas?

A introdução da Governança de Dados na empresa provavelmente será vista como um caminho caro, cujos benefícios só se manifestam após um longo período de tempo. Por esse motivo, hoje são preferidas abordagens mais ágeis, que permitem abordar esse caminho gradualmente, concentrando-se nas principais necessidades da organização e estruturando o caminho para sprints subsequentes. O importante é manter uma abordagem corporativa desde o início. Mas como dar os primeiros passos nesse caminho?

1)      Identificar as Principais Necessidades da Empresa

Entender como a Governança de Dados pode apoiá-la, direta ou indiretamente. O ponto de chegada deve ser continuamente comunicado e suportado durante o programa.

2)      Criar um Caso de Negócio

Com muita frequência, a Governança de Dados é vista como um mero custo. Isso se deve ao fato de não ter sido prestada atenção suficiente para medir o impacto de tal iniciativa na empresa. Mesmo que não seja estritamente necessário, fazer este exercício permitirá que se incorpore as diferentes estruturas da empresa com muito mais facilidade e obtenha patrocínio da gerência.

3)      Formar um Grupo de Trabalho Multidisciplinar

Envolver as diferentes almas da empresa. Um dos erros mais frequentes é pensar que a TI deve guiar e implementar a iniciativa de forma independente. Entre eles, o suporte de RH é essencial para apoiar a mudança de comportamento.

4)      Iniciar pelo Básico

Definir um glossário de negócios ou um vocabulário com as definições de alguns dos dados mais relevantes para o negócio, identificando alguns processos principais que utilizem esses dados. Será mais fácil avançar no nível organizacional, definindo papéis e responsabilidades para definir e gerenciar dados. Nesta fase, a TI desempenha um papel fundamental, tanto para a implementação das ferramentas de suporte necessárias quanto para o seu conhecimento a nível funcional.

5)      Medir

Configurar um métrica que permita medir o progresso e a obtenção de benefícios desde o início e durante a duração do programa.

A introdução de algumas boas práticas de Governança de Dados nas empresas não pode ser adiada, considerando a crescente importância dos dados para os negócios. A boa notícia é que é possível fazê-lo de forma sustentável, a partir das necessidades da empresa. Governar os dados, em vez de reagir prontamente aos problemas, é uma etapa essencial para melhorar sua eficácia e derivar valor econômico dos dados.

 

*Lenildo Morais é mestre em Ciência da Computação pelo Centro de Informática da Universidade Federal de Pernambuco. Ele é pesquisador da ASSERT – Advanced System and Software Engineering Research Technologies e gerente de projetos do Porto Digital de Pernambuco.

Anterior Uso de faixas de UHF e VHF abre nova disputa entre teles e radiodifusores
Próximos MP do Fistel corre o risco de perder a validade