Leilão:TVs querem antecipação da 5G apenas com a 3,5 GHz toda limpa


Já terminou o prazo concedido pela Anatel para a formulação de pedidos de esclarecimentos ao edital do 5G, cujo leilão está marcado para o dia 4 de novembro e a entrega de propostas, no dia 27 de outubro. A agência não está liberando o acesso à íntegra do edital para aqueles que não participarão do certame. Por isso, só é possível registrar as dúvidas do mercado sobre as regras do edital por intermédio de interlocuções com o mercado.  Dez dias antes da entrega das propostas, ou seja, no dia 17 de outubro, a agência deve dar os esclarecimentos a todas as perguntas formuladas, e as respostas da Anatel passam a ser vinculantes às regras do leilão.

PUBLICIDADE

Uma das questões que têm motivado diferentes manifestações é a que foi incorporada, por intervenção do Tribunal de Contas da União, na versão definitiva do edital e que trata das condições para a antecipação da oferta do serviço de quinta geração. Isso porque, uma das premissas da agência é que os espectadores de TV por parabólica devem ser atendidos antes de o serviço celular entrar em operação, ou seja, esses serviço de TV não pode sofrer interferência do serviço de telecomunicações.

Mas o edital estabelece que o início do uso da faixa de 3.300 a 3.700 MHz poderá ser antecipado nos municípios ou em áreas geográfica onde não haja o serviço fixo por satélite ou recepção do sinal de TV aberta na faixa entre 3.625 MHz a 3.700 MHz. Mas as emissoras de TV comerciais, em seus pedidos de esclarecimentos ao edital explicitam que, no entendimento do setor, a condição da não interferência deverá abranger todo o espectro – que vai de 3.300 MHz a 4.200 MHz (a diferença é conhecida como banca C “estendida”).

O segmento de radiodifusão argumenta ainda que entende que só poderá haver  a antecipação do 5G em municípios ou em áreas geográficas onde as duas condições estejam atendidas simultaneamente: não mais haver sinal de TV aberto e não haver sinal de serviço fixo por satélite.

Fontes do mercado entendem, porém, que se for este o entendimento, não haverá a antecipação do serviço, conforme pretendia o TCU, limitando, assim, o acesso ao 5G ao cronograma de compromissos estabelecido pela Anatel, que se inicia em 2022 nas capitais, mas fora delas, somente em 2028.

Anterior Pela primeira vez, Nubank tem lucro em seis meses
Próximos Huawei defende redes 5G com maior eficiência energética