‘Lei do Silêncio Positivo é fundamental para avanço da conectividade’, diz TelComp


(Crédito: Freepik)

A Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (TelComp) divulgou nota, nesta quinta-feira, 28, comemorando a sanção da lei do Silêncio Positivo. O texto, que favorece a instalação mais célere de infraestrutura de telecomunicações, foi publicado sem vetos no Diário Oficial da União, nesta manhã.

A norma garante um licenciamento temporário às empresas que solicitaram autorização do poder público para instalações, mas não receberam resposta em até 60 dias, prazo previsto na Lei Geral de Antenas.

PUBLICIDADE

A Telcomp destacou a lei como “imprescindível ao avanço da conectividade no Brasil” e lembrou as dificuldades enfrentadas pelo setor.

“Até então, as empresas de telecomunicações solicitavam o licenciamento da infraestrutura às prefeituras e, geralmente, aguardavam de seis meses a dois anos para obter a licença”, consta no comunicado.

O presidente da associação, Luiz Henrique Barbosa, também compartilhou expectativas com a mudança nas regras. “A partir de agora, o processo de licenciamento de infraestrutura de telecomunicações será ágil, o que é fundamental para levar conectividade a todo o território brasileiro, especialmente com a chegada do 5G no país, que demanda a instalação de antenas que suportem essa nova tecnologia”, disse.

Lei do Silêncio Positivo

Além de reforçar o prazo para que o poder público se manifeste sobre as solicitações de instalação, a Lei do Silêncio Positivo também prevê que, o órgão ou entidade competente poderá cassar, a qualquer tempo, a licença caso as condições estipuladas no requerimento ou em demais leis e normas pertinentes sejam descumpridas.

A retirada da infraestrutura de suporte, caso determinada em decisão administrativa final de órgão ou entidade competente, será de responsabilidade da requerente das licenças, a quem caberá também a reparação dos eventuais danos causados ao meio ambiente e a terceiros. Dessa decisão, cabe recurso administrativo.

A nova lei resulta de projeto de lei apresentado pelo deputado Vitor Lippi (PSDB-SP). O parlamentar justificou a iniciativa depois de verificar que algumas prefeituras demoravam até dois anos para liberar a licença.

PUBLICIDADE
Anterior Fatia da Oi comprada pela Vivo teve lucro de R$ 15 milhões no trimestre
Próximos Norma 4 e SLP são destaques na audiência de simplificação regulatória