Kaspersky descobre vulnerabilidade de “dia zero” no Telegram que afeta criptomoedas


Os pesquisadores da Kaspersky Lab descobriram ataques realizados por um novo malware que se propaga no ambiente online e que utiliza uma vulnerabilidade de ‘dia zero’ no aplicativo Telegram para desktop. A vulnerabilidade foi usada para difundir um malware multifuncional que, dependendo do computador atacado, pode ser usado como backdoor ou como uma ferramenta para instalar um software de mineração. Segundo a investigação, a vulnerabilidade é explorada ativamente desde março de 2017 para a funcionalidade de mineração de criptomoedas, como Monero e Zcash.

No mês passado, a Kaspersky Lab publicou o relatório de uma pesquisa sobre um malware avançado em dispositivos, o cavalo de Troia Skygofree, capaz de roubar mensagens do WhatsApp.  A investigação mais recente da Kaspersky Lab revela ataques de malware no ambiente online com uma nova vulnerabilidade, anteriormente desconhecida, na versão de desktop de outro popular serviço de mensagens instantâneas – Telegram

De acordo com análise, a vulnerabilidade de “dia zero” do Telegram se baseia no método Unicode RLO (substituição da direita para a esquerda). Em geral, ele é usado para codificar idiomas escritos da direita para a esquerda, como árabe ou hebraico. Porém, os criadores do malware também podem usá-lo para induzir os usuários a baixar arquivos maliciosos disfarçados, por exemplo, como imagens.

PUBLICIDADE

Os invasores usaram um símbolo Unicode oculto no nome do arquivo para inverter a ordem dos caracteres, renomeando assim o próprio arquivo. Consequentemente, os usuários baixavam o malware oculto, que era instalado nos computadores. A Kaspersky Lab informou ao Telegram sobre a vulnerabilidade e, até o momento desta publicação, a falha de “dia zero” não foi mais observada nos produtos de mensagens instantâneas.

Anterior Airbus confirma cronograma para testes de drones na logística
Próximos Alto preço do espectro inibe expansão de redes móveis na América Latina, aponta GSMA