Justiça autoriza adiamento da assembleia de credores da Oi


justiça-lei-norma-legislação-estátua-tribunal

O juiz Fernando Viana, do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, autorizou o adiamento da assembleia geral de credores da Oi. A empresa pediu ontem, 27, para realizar o evento nos dias 23 de outubro e 27 de novembro.

PUBLICIDADE

O adiamento é resultado da disputa entre a operadora e a Anatel sobre como serão tratadas as multas: se inseridas ou não na recuperação judicial. A Oi considera que deve R$ 11 bilhões à agência, e tenta colocar o valor no plano de recuperação. Isso resultaria em parcelamento ou adiamento do pagamento à Anatel. A autarquia contesta a possibilidade, lembrando que se as multas entrarem no escopo da recuperação judicial, votará contra o plano.

Conforme justifica a Oi ao juiz, a “medida se demonstra necessária, pois diante da análise das diversas objeções e  da evolução das negociações com os credores, precisam ajustar os termos do plano de recuperação judicial a todos os interesses econômico-financeiros envolvidos, o que demanda um maior prazo”.

Alterações

A concessionária recebeu apoio do escritório Arnoldo Wald, seu administrador judicial, que concorda com o adiamento em função de decisões da Justiça que sobrecarregaram os trabalhos de preparação da assembleia.

Especificamente, o pedido para que a Oi apresente listas dos devedores segregadas por subsidiária, endividamento exato de cada empresa do grupo listada na recuperação, definição da forma de votação e levantamento do quórum.

“O adiamento pretendido garantirá aos credores mais tempo para analisar as informações a serem disponibilizadas pelas devedoras, além de conferir mais tempo para os credores analisarem e negociarem condições do plano, trazendo um ambiente mais concreto para tomada de decisões”, diz o juiz. Ele consultou também o Ministério Público, que não se opôs.

O deferimento dá mais prazo para a Oi registrar alterações em seu plano de recuperação judicial e negociar com credores. Mas também dilata o tempo para ajustar o edital de convocação e tornar mais claros detalhes como o método de votação e apuração dos votos.

A empresa terá de realizar uma nova convocação dos credores, publicando outro edital.

PUBLICIDADE
Anterior Anatel adia decisão sobre cassação de licenças da Oi
Próximos Investimento em TICs eleva PIB dos estados, mostra estudo