Itaú seleciona AWS como provedora estratégica de nuvem


A Amazon Web Services (AWS) anunciou hoje, 30, que foi selecionada pelo banco Itaú Unibanco para ser seu provedor estratégico de nuvem de longo prazo, com um acordo de 10 anos. O Itáu migrará a maior parcela de sua infraestrutura de TI dos mainframes e de seus data centers para a nuvem.

As principais plataformas bancárias, soluções de call center, aplicativos bancários on-line e móveis também irão para a nuvem.  O banco utilizará serviços de analytics, machine learning, serverless, contêineres, banco de dados gerenciado, processamento, armazenamento e segurança. Para promover as inovações, o banco pretende capacitar funcionários em tecnologias avançadas de nuvem.

PUBLICIDADE

Assim, a instituição financeira migrará de bancos de dados legados para os bancos nativos em nuvem da AWS. Com isso, se espera que as transações financeiras se tornem mais rápidas e seguras e que seja possível construir aplicativos com uma arquitetura de microsserviços.

O serviço Amazon Elastic Compute Cloud (Amazon EC2) fornecerá capacidade de computação para o Pix, que passou a funcionar no dia 16 de novembro. Já o Amazon Elastic Container Service (Amazon ECS) e o AWS Lambda (serviço de computação serverless da AWS) têm como finalidade lançar e escalar novas ofertas de serviços financeiros. Isso inclui o iti, plataforma de conta digital de pagamento por QR codes  e de transferência de fundos.

A partir das ferramentas de machine learning, o banco pretende obter insights a respeito  das necessidades de clientes. Nesse sentido, o Amazon SageMaker  identifica padrões nos hábitos bancários individuais dos clientes para seus atendimento no chatbots.

“Estamos buscando uma transformação digital completa na AWS, saindo da tecnologia legada de mainframe e usando seu portfólio de serviços para obter insights e agilidade”, disse Candido Bracher, CEO do Itaú Unibanco. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Plataforma das operadoras para medir isolamento social ficará no ar até final do ano
Próximos Expansão anual da banda larga móvel cai desde 2017, indica relatório da UIT