ISPs redirecionam investimentos pois crescimento de base será menor


Marcio Cachapuz, diretor de vendas e marketing da Oiw - crédito: Inovatic Sudeste 2022
Marcio Cachapuz, diretor de vendas e marketing da Oiw – crédito: Inovatic Sudeste 2022

A perspectiva dos ISPs é de um crescimento menor para 2022, e por conta disso os investimentos estão sendo redirecionados. A percepção é de Marcio Cachapuz, diretor de vendas e marketing da OIW, que participou nesta quinta, 7, do Inovatic Sudeste 2022.

“Estamos vindo num processo de dois anos pra cá, paralelo, que é a organização dos provedores no sentido de prepararem suas redes ou para consolidação ou justamente para o aproveitamento de seus ativos frente às oportunidades que o 5G vai oferecer. Há muito questionamento sobre capacidades e ofertas. Hoje não é só colocar fibra e dizer ‘vamos lá’. Agora existe preocupação em ter uma rede estruturada e gerenciada”, falou Cachapuz.

PUBLICIDADE

O executivo disse que a expectativa dos ISPs é de um crescimento abaixo de 5%. “Mas é um crescimento contínuo e perceptível. O investimento é menor, mas robusto, atrelado a um crescimento orgânico”, disse o executivo da OIW.

“Existe a preparação para o que virá. Em relação ao que pode ser reutilizado, a demanda é obviamente menor. Mas tem coisa parada na pandemia que está retornando, e isso gera demanda na área de fibra”, continuou.

Apesar disso, ele disse ser difícil fazer uma previsão de um cenário. “A definição da visibilidade daqui até o fim do ano é que está difícil enxergar o que vai acontecer. Os clientes tinham oferta de bancos com juros atrativos, hoje têm dificuldade de ter a mesma oferta e acabam contando com as linhas do fornecedor, mas o fornecedor também está com a mesma dificuldade de obter dinheiro. Isso trava tudo. É um ano de dificuldades”, afirmou Cachapuz.

Nas portas ao lado

Em relação a oportunidades, o executivo falou sobre o cenário em países vizinhos. “A América Latina tem alguns países com fibra avançada, como o Chile. Isso dá pouco espaço para novos entrantes. Outros países tem menos fibra óptica, mas daí entra problema de regulamentação.”

 

PUBLICIDADE
Anterior Recursos do Fust poderão ser aplicados em escolas ou para conectar pessoas
Próximos Mercado secundário de espectro será tratado no Rue e reforçado no PGMC