IPEA: 11, 6 milhões de domicílios brasileiros esperam pela rede de banda larga


brasil banda larga acessos conexoes fibra internet web mapa luz

O Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) fez um detalhado estudo sobre a massificação da banda larga no país, e concluiu que 11,6 milhões de domicílios brasileiros têm demanda pelo serviço, mas não podem consumi-lo porque ele não está disponível.

PUBLICIDADE

E a capacidade máxima de consumo da banda larga, sem que seja implementada qualquer política de subsídio à demanda é de 50,7 milhões de residências. Ou, dos 68 milhões de domicílios que o país possui atualmente, em 17,3 milhões as famílias só teriam acesso ao serviço se fossem subsidiadas.

Para chegar a esses grandes números, explica Alexandre Ywata, o IPEA dividiu o país em seis grupos de municípios que foram agrupados com base em 159 variáveis sócio-econômicas.

Foram encontrados assim os municípios do grupo 1 urbano de maior renda ( como SP, RJ, BH e DF); grupo 2 cidades com alta renda rural; Grupo 3 – cidades  urbanas com menor renda (como Manaus ou Nova Iguaçu); Grupo 4 – urbanas de renda média (como Santarém e Altamira); Grupo 5 rural com menor renda; e grupo 6 – rural mais pobre (como Breves, Parintins).

E o instituto constatou que o impacto da banda larga na economia do municípios é diferente, a depender do perfil. “O impacto da penetração da banda larga é menor nos municípios de menor renda per capta”, constatou.

O Ipea estudou também qual deveriam ser os municípios prioritários no atendimento da expansão da rede de acesso. E analisou cada caso comparando três princípios isolados: cidades com menor IDH, população total do município e mercado potencial total. E fez também o mesmo ensaio por micro região. Constatou que o maior valor – recai nos projetos voltados para cidades com maior população, seguido daquelas com mercado potencial e por último as de menor IDH.

Segundo o conselheiro Igor de Freitas, essa metodologia será adotada pela Anatel para a análise dos próximos TACs,  (Termos de Ajustamento de Conduta), mas ele assinala que os critérios adotados pela agência para a assinatura do TAC da Telefônica já levaram em consideração o mix de menor renda, população e IDH.

” Toda a política pública tem um grau de subjetividade e a Anatel irá segui-la. Mas os critérios adotados pela agência, nesses casos, vislumbraram o custo oportunidade, para atingir o maior número de pessoas ao menor custo”, disse ele.

 

 

PUBLICIDADE
Anterior Só 369 municípios brasileiros têm banda larga com mais de 10 Mbps
Próximos Operadora da Austrália recebe oferta hostil de venda