IoT e M-Payment são os temas de maior interesse do setor de telecom em 2015


As operadoras de telecomunicações, em especial as de telefonia móvel, e a indústria do setor, estão com as atenções voltadas para as oportunidades em internet das coisas (IoT) e pagamentos móveis (m-payment) em 2015, segundo pesquisa do Grupo de Usuários de Gestão de Serviços de Terceiros (GUGST), realizada pela empresa Quanti. Outros temas considerados essenciais neste ano são M2M e Big Data.

A pesquisa, feita em fevereiro com 82 representantes de empresas do setor no Brasil, procurou medir o interesse dos executivos por diversos temas. Os participantes deveriam responder a um questionário, atribuindo notas a assuntos específicos. IoT obteve 82 pontos na escala de interesses. Os pagamentos móveis vieram em segundo, com 79 pontos, seguidos de M2M (77), Big Data (76), M-Marketing (74) e M-TV (62).

PUBLICIDADE

Depois, a Quanti definiu qual segmento se interessa mais por determinado tema. Descobriu que o IoT interessa mais aos fornecedores do que às operadoras. Há 42% mais chance de encontrar executivos buscando informações em IoT na indústria do que nas prestadoras de serviço (19%). Principalmente se o enfoque for suporte ao negócio.

Esta análise estatística mostra ainda aumento do interesse das teles em concretizar projetos de m-payment. Segundo a pesquisa, há 41% mais chance de encontrar profissionais que buscam informações sobre pagamentos móveis nas operadoras do que nos fabricantes e desenvolvedores de soluções (18%).

No m-payment, chama a atenção que a indústria cogita modos de trazer a bancarização para o celular sem depender das operadoras. “Entre as repostas havia a percepção de que o modelo de revenue share das operadoras inviabilizará os pagamentos móveis”, diz Ricardo Arguelhes, consultor e coordenador do GUGST. Ele ressalta, porém, que o estágio atual é de busca por informação e entendimento do que seria este negócio.

E como internet das coisas costuma andar de mão dada com as tecnologias machine-to-machine (M2M), as operadoras aparecem como maiores interessadas. Os executivos das companhias buscas cases de M2M, indicadores para dar suporte ao negócio, aperfeiçoar o relacionamento com os parceiros e como explorar o mercado de aplicativos das conexões entre máquinas. “Eles buscam mais exemplos de casa conectada, escola conectada, cidades inteligentes, soluções para medicina”, elenca Humberto Perissé, diretor da Quanti.

 

PUBLICIDADE
Anterior STF suspende lei baiana que obriga operadora instalar bloqueador de celular em cadeia
Próximos Marco Civil: Fazenda quer proibir acordos entre provedores de aplicação e de acesso