Investimentos das teles serão acompanhados trimestralmente


Ao anunciar a liberação das vendas pelas operadoras punidas, a Anatel afirmou que fará um monitoramento trimestral para conferir se as empresas estão trabalhando de acordo com os parâmetros de qualidade apresentados. Caso a agência encontre problemas, já existe um protocolo de ação contra as operadoras: elas podem, inclusive, voltar a ter as vendas suspensas. “Não vamos permitir o descasamento do aumento da base de assinantes com os investimentos em redes”, afirmou o presidente da agência, João Rezende.

PUBLICIDADE

Rezende alertou que o serviço não vai melhorar amanhã. Ele afirmou que a melhoria nas centrais de atendimento deve ser vista pelos usuários no curtíssimo prazo, no período de 30 dias. Já os indicadores relacionados à rede devem apresentar melhoras de quatro a seis meses. “As empresas têm que estar conscientes de que haverá a medição dos indicadores previstos nos regulamentos de qualidade, que começam a valer em outubro”, disse.

 

Os investimentos totais previstos nos planos são de R$ 20 bilhões até 2014, sendo que R$ 4 bilhões decorrentes da cautelar (investimentos adicionais ou antecipação). A TIM, punida em 18 estados e no Distrito Federal, se comprometeu a investir R$ 8,2 bilhões no triênio. A Oi, que teve comercialização suspensa em cinco estados, vai aplicar R$ 5,5 bilhões no período. E a Claro, que ficou impedida de vender serviços em três estados, vai investir R$ 6,3 bilhões. Esses recursos incluem também os investimentos na implantação da rede 4G.

O superintendente de Serviços Privados da agência, Bruno Ramos,destacou que os planos serão publicados no site da Anatel e as medições do cumprimento deles serão feitas com base nos mesmos indicadores que geraram a medida cautelar (rede, completamento e suspensão das chamadas e call center). “Nós temos todas as medições feitas anteriormente que nos ajudarão a constatar se os investimentos estão sendo feitos ou não”, disse. Ele explicou que as verificações serão feitas estado por estado.

A melhoria total dos serviços somente será sentida no prazo de dois anos, mas as medições começarão imediatamente, com a produção de relatórios sobre o atendimento das metas trimestrais. Ramos disse ainda que não faria sentido verificar o atendimento desses projetos só daqui a dois anos.

Vivo, CTBC e Sercomtel

Mesmo sem sofrer punições, a Vivo, CTBC e Sercomtel também foram obrigadas a entregar planos de melhorias da qualidade dos serviços. “Essas operadoras ainda estão em fase de negociação com a agência e devem entregar até o dia 19 de julho”, disse Ramos.

Anterior Operadoras e entidades aplaudem decisão da Anatel
Próximos Oi divulga esclarecimento sobre Assembleia de 10 de agosto