Investimento das teles na 5G DSS prosseguirá em 2021, prevê Huawei


A fabricante Huawei prevê que 2021 será um ano com demanda ainda crescente por equipamentos para redes de acesso em fibra óptica (FTTH) e 4G. E uma nova tecnologia, a 5G DSS, também vai crescer, enquanto a 5G com espectro próprio não chega. Conforme Atilio Rulli, diretor senior de relações institucionais da empresa, todas as operadoras vão seguir investindo na tecnologia.

Por enquanto, a 5G DSS está disponível em algumas capitais por iniciativa de Claro, Oi e Vivo, e em três cidades selecionadas pela TIM para um projeto piloto em banda larga fixa sem fio. Mais municípios devem receber esse tipo de tecnologia, afirmou o executivo da Huawei, que é uma das fornecedoras de equipamentos 5G DSS contratada para implementar essas redes.

PUBLICIDADE

“Estamos vendo o movimento de todas as operadoras no 5G DSS. E a Huawei está dando suporte e fazendo instalações com a maioria delas. Do nosso ponto de vista, essa vai ser a tendência. A quantidade do que vai ser investido só no 4G e no 5G DSS, aí vai ser uma estratégia da operadora”, disse. Ele participou hoje, 13, de live realizada pelo Tele.Síntese.

Segundo Rulli, a Huawei vem instalando equipamentos 4G já preparados para upgrades. Ele explicou que a troca de placas ou apenas uma atualização de software poderá ser feita para que uma estação 4G se torne 5G. A demanda por essas ERBs prontas para o upgrade só vai crescer, previu.

Fibra reina

A fibra óptica também vai crescer graças à procura por parte dos provedores regionais (ISPs), que seguirão realizando grandes aporte na tecnologia. Além disso, haverá expansão de redes neutras, que na opinião de Rulli, vão ampliar o “addressable market” das operadoras e, consequentemente, resultará em expansão da demanda por equipamentos.

Além disso, pontuou, estações 4G serão mais conectadas por fibra, tanto para entregar mais velocidade, quanto para deixar as redes aptas a lidar com o crescimento do volume de tráfego que virá com com novos hábitos do consumidor.

“2021 será uma continuidade de 2020, em que vimos um crescimento em alguns casos de 50% no tráfego da rede. Essa aceleração digital vai continuar, na mesma velocidade”, disse. Na esteira dessa expansão do consumo de internet, a Huawei projeta ainda ampliação da demanda por serviços em nuvem, tanto para atender necessidades das operadoras, como para o segmento corporativo.

Anterior Federação dos Engenheiros contesta ação da PGR favorável à cobrança por passagem em via pública
Próximos Oi quer antecipar leilão do data center para o dia 19