Intel lança o Arc, novo chip gráfico de alto desempenho para PCs e celulares


A Intel anunciou hoje, 16, novos produtos para gráficos de alto desempenho voltados ao consumidor final. Eles terão uma nova marca da empresa: Intel Arc. A marca estará disponível em hardwares, softwares e serviços. A primeira delas será baseada na microarquitetura Xe HPG “Alchemist”, antiga DG2. A Intel também anunciou os codinomes das próximas gerações da marca Intel Arc: Battlemage, Celestial e Druid.

“O dia de hoje marca um momento importante na nossa jornada de gráficos, iniciada alguns anos atrás. O lançamento da marca Intel Arc e das próximas gerações de hardware reforçam o compromisso de longo prazo da companhia com gamers e criadores do mundo todo. Nossas equipes estão realizando um trabalho excepcional a fim de garantir experiências totalmente inéditas quando estes produtos chegarem às prateleiras no início de 2022” explica Roger Chandler, vice-presidente da Intel e diretor geral de Client Graphics Products and Solutions.

Com o lançamento, a empresa espera fazer frente ao avanço da rival AMD, que tem a plataforma Ryzen, e da NVidea, que além de produzir GPUs para gráficos, especializou-se na produção de GPUs para aplicações de inteligência artificial

Segundo a Intel, a arquitetura Xe, utilizada na Arc, é escalável e foi desenvolvida para ser utilizada tanto em equipamentos comuns, como em data centers e supercomputadores.

A primeira geração de produtos Intel Arc “Alchemist” contará com rastreamento de raio (ray tracing) baseado em hardware e superamostragem orientada por inteligência artificial, além de suporte completo para DirectX 12 Ultimate.

Segundo a empresa, a meta é competir em pé de igualdade com as rivais, “entregando inovação e variedade em hardware juntamente com ferramentas de software abertas e acessíveis”. Os produtos Arc estarão disponíveis no primeiro trimestre de 2022. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Desktop compra provedor de Barretos e região
Próximos Sercomtel defende modelo de valoração das ações na privatização