Instalação de antenas, problema mundial para a 5G


Rio de Janeiro –  Modificar as atuais leis municipais para que seja possível a instalação ágil de  milhares de células que serão necessárias para o desenvolvimento da quinta geração da telefonia móvel é uma das medidas que precisam ser tomadas pelos governos de todo o mundo. Essa foi uma das principais constatações dos especialistas de diferentes nações que participam do 6th Global 5G Event, que acontece no Brasil. 

PUBLICIDADE

Segundo Julius Knapp, chefe do departamento de Engenharia e Tecnologia da Federal Communication Comission (FCC), a agência reguladora norte-americana, todo o  seu está voltado para tirar as amarras que podem comprometer o desenvolvimento de novos serviços no país. Entre essas iniciativas, assinalou, a própria Casa Branca lançou um road map (um mapa de “caminhos”) das medidas que precisam ser adotadas para fazer avançar a sua implementação.

E uma das que merecem ser destacadas, assinalou Knapp, é justamente a criação de novas regras – federais – para orientar os governos municipais dos Estados Unidos a uniformizar e agilizar o licenciamento de antenas e sites. “Estamos também realizando um grande número de licitações de frequências para que as empresas possam ter a maior quantidade de espectro disponível”, afirmou, assinalando que em seu país enquanto a FCC cuida do espectro para as atividades comerciais, a NTia administra o espectro destinado ao governo e forças armadas.

Para Celedonio von Wuthenau, diretor de relações governamentais para a América Latina da Nokia, há na região  também muitas dificuldades para a instalação de antenas, que precisarão ser removidas, se se quiser que a tecnologia avance. “Quando falamos de 5G, estamos tratando de antenas e frequências”, vaticinou.

Testes Globais 

Já para Ku Wen, diretor geral do departamento de informação e comunicações do MIT da China, se a indústria conseguiu desenvolver e entregar o padrão prometido,  começa a se preparar para construir os conteúdos e serviços que serão oferecidos a partir dessa tecnologia. “O 3GPP completou a primeira fase do padrão 5G. Agora, precisamos avançar para os serviços. A China lançou, em fevereiro deste ano, uma licitação para a apresentação de projetos e aplicações para a 5G. Recebemos 338 projetos de 189 empresas”, asinalou

Já a Comunidade Europeia, disse Philippe Lefebvre, diretor geral para as redes de comunicações da Comissão Europeia, está desenvolvendo programas que ultrapassam a regulação. Foi alocado € 1 bilhão para auxiliar os diferentes países a lançarem os seus sistemas 5G entre os anos de 2020 e 2021. “E os investimentos devem ser realizados em aplicações de domínio público”,  afirmou.

A jornalista participa da 6th Global 5G Event a convite da Telebrasil

 

Anterior Grupos de defesa do consumidor pressionam governo por criação de Autoridade de Proteção de Dados Pessoais
Próximos Google amplia aposta em sua MVNO