Indústria já pode certificar produtos para o uso do 5G em várias frequências


Já começou a corrida da nova tecnologia, afirma o superintendente de outorga da Anatel; Nokia prevê que 5G pode começar no final do terceiro trimestre nas frequências já licenciadas. Ericsson, Huawei e Qualcomm elogiam regras em linha com 3GPP e ETSI.

As operadoras móveis já podem usar equipamentos certificados pela Anatel como de 5G nas frequências em que hoje oferecem 3G ou 4G. A agência publicou na sexta-feira, 12, os atos 31513152 e 3153 para a certificação e a comercialização de equipamentos e estações de acesso.

“A corrida do 5G já começou”, resumiu ao Tele.Síntese o superintendente de Outorga e Recursos a Prestação  da Anatel, Vinicius Caram, com a ressalva de que as operadoras poderão inicialmente operar a novidade nas faixas que já utilizam, sem ter de esperar pelo leilão de espectro 5G, ainda sem data definida.

Para o superintendente da Anatel, é comum que uma nova tecnologia entre em operação usando as faixas atuais em uso.  “Isso já aconteceu com o 2G, o 3G, o 4G e o 4.5G. E agora não será diferente. Não será preciso esperar o resultado do edital do leilão para as operadoras passarem a oferecer a nova tecnologia”, explicou.

PUBLICIDADE

Caram também assegurou que as regras não fazem restrição a nenhum fornecedor. O governo brasileiro vem sendo pressionado pelos Estados Unidos a restringir a participação da Huawei neste mercado, sob alegação de riscos à segurança. Segundo o executivo, a questão de cibersegurança está sendo tratada em um regulamento próprio, sob análise na agência. 

Avaliação da indústria

Em um cenário econômico atingido pela pandemia do novo coronavírus, a novidade foi comemorada pela indústria. “Até o final do terceiro trimestre, a operadora que quiser já pode colocar em operação a tecnologia 5G”, afirmou ao portal o CTO da Nokia, Wilson Cardoso. “Nada impede que uma operadora use 5G em um teste, que faça uma experiência na frequência em que opera o 4G”, acrescentou.

Com a publicação dos três normativos com requisitos técnicos, as indústrias de equipamentos se preparam para apresentar os primeiros pedidos de homologação de equipamentos 5G junto à Anatel.

A partir de agora, as prestadoras poderão implantar redes com a tecnologia 5G utilizando equipamentos que operam nas faixas que elas já utilizam, desde que os produtos atendam aos requisitos publicados pela Anatel. 

Algumas vantagens da proposta são: observação das faixas de frequências e condições de convivência com outros serviços aprovados no Brasil, prevenir interferências de equipamentos em outros sistemas, manter um nível mínimo de qualidade e segurança para permitir o desenvolvimento de diversas soluções.

Padrões globais

A respeito dos normativos, a Huawei afirmou as regras de homologação são bem-vindas e beneficiarão no Brasil por conta da adoção de “requisitos técnicos, usando padrões globais como referência e aplicados de forma uniforme a todos os fornecedores do mercado”.

A  Ericsson parabenizou a Anatel pela publicação dos atos que atualizam a lista de requisitos técnicos para permitir a homologação de produtos de telecomunicações — em especial as Estações RadioBase multitecnologia e 5G (NR).

“Esse é o resultado de um intenso e detalhado trabalho da SOR [Superintendência de Outorga e Recursos a Prestação], sempre embasado em altíssimo nível técnico e com aprofundado grau de colaboração com todo o setor de telecomunicações, com escopo equilibrado e alinhado aos requisitos já vigentes em outros países”, informou.

Segundo a empresa, as normas adotadas são padrões técnicos internacionais ETSI e 3GPP, com listas de ensaios obrigatórios compatíveis com a realidade, demanda e dinamismo do mercado.  “Com essa publicação, a Anatel finaliza com brilhantismo mais uma importante etapa do estabelecimento de um arcabouço regulatório que abre caminho para introdução da tecnologia 5G no país. O próximo passo, para prever integralmente o escopo do Leilão de 5G, deve ser estabelecer os requisitos para rádios na banda de 26GHz (Frequency Range 2), o que também deve seguir as boas práticas internacionais”.

Sem impeditivos

Para Francisco Soares, vice-presidente de Relações Governamentais da Qualcomm para a América Latina, não há nas regras publicadas nenhum impeditivo à participação dos fornecedores. Segundo o executivo, a publicação dos normativos tem pertinência mesmo sendo antes do leilão do 5G.

“Total pertinência, pois os fabricantes precisam começar o processo de certificação antes de trazerem os produtos, e isso leva tempo. Além disso, um terminal 5G funciona também com outras tecnologias existentes e portanto podem ser comercializados mesmo antes da implementação da rede 5G, otimizando os investimentos “, afirmou.

Anterior Impacto econômico da loja de apps da Apple supera meio trilhão de dólares
Próximos Câmbio arrasta a Oi para prejuízo de R$ 6,47 bilhões no 1º tri