Indústria de PCs pode faturar até R$ 7 bilhões a menos em 2015


O governo não vai conseguir arrecadar o que espera com a edição da Medida Provisória 690, que retoma a cobrança de alíquota cheia de PIS e Cofins a fabricantes de computadores, notebooks, tablets, smartphones e outros tipos de eletrônicos. Essa é a visão da IDC Brasil, empresa de análise de mercado, que espera uma queda no mercado de computadores neste ano.

Segundo Reinaldo Sakis, gerente de pesquisa da IDC Brasil, “a arrecadação extra de R$ 6,7 bilhões em 2016 será menor, pois a expectativa para o ano [do setor] já é de desaceleração”. Todos aqueles fatores devem fazer com que a indústria feche 2015 com faturamento abaixo dos R$ 70 bilhões, entre R$ 4 bilhões e R$ 7 bilhões menor que em 2014. “É um valor muito significativo, que afetará toda a cadeia, como importadores, montadores, fabricantes, transportadores e lojas de varejo”, vaticina.

A MP 690 foi publicada pelo governo federal em agosto, e deve ser votada pelo Congresso até outubro. Entidades setoriais reclamaram da iniciativa, que reverteu a prorrogação dos benefícios até 2018, instituída no final de 2014. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Mercado de smartphones recua 13% no segundo trimestre
Próximos Vivendi aumenta participação na Telecom Italia