Atraso em conta de celular, internet e TV é o maior dos últimos dois anos, diz SPC


De acordo com o indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), enquanto a inadimplência total no país vem desacelerando, a quantidade de contas atrasadas no setor de telecom avançou 16,21%, a maior alta em 24 meses.

A inadimplência do consumidor com operadoras de telecomunicações, que prestam serviços de telefonia, acesso à internet e TV por assinatura, tem apresentado crescimento superior aos demais setores da economia brasileira. De acordo com o indicador calculado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), enquanto a inadimplência total no país vem desacelerando – em dezembro último o crescimento do total de dívidas não pagas foi de 3,19% contra 5,43% em agosto de 2014 – a quantidade de contas atrasadas no setor de telecom avançou 16,21%, a maior alta em 24 meses.

A tendência também se reflete no aumento da participação do setor de telefonia, internet e TV por assinatura no total de dívidas registradas no país. Desde janeiro de 2010, quando teve início a série histórica revisada do SPC Brasil, a participação deste setor quase dobrou, passando de 8,70% para 15,82% em dezembro de 2014.

Os dados apurados pelo SPC Brasil mostram ainda que a maior parte das dívidas pertence aos consumidores com idade entre 30 e 39 anos (27,79%), seguido pelos devedores de 40 a 49 anos (19,49%), de 50 e 64 anos (16,13%) e pelos que têm idade entre 25 e 29 anos (14,43%).

PUBLICIDADE

O destaque da inadimplência de pessoas físicas com empresas de telefonia, internet e TV por assinatura foi na região Norte, onde o crescimento foi mais expressivo: 37,42%. Em segundo lugar aparece a região Nordeste (21,24%), seguida pelas regiões Sudeste (14,49%), Sul (11,47%) e Centro-Oeste (9,885).

A abertura dos dados por tempo de atraso da dívida revela que as mais antigas, com mais de 90 dias de atraso, tiveram alta de 16,26%. Essa faixa concentra mais de 99% das dívidas de telecom. As dívidas mais recentes, com até 90 dias, tiveram avanço mais moderado e cresceram 9,12% em dezembro de 2014.

Para a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, o aumento expressivo do número de dívidas no segmento de telecomunicações acompanha a presença cada vez maior de serviços como TV por assinatura, internet e telefonia na vida dos brasileiros. Uma pesquisa recente realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito revelou que dentre os consumidores que tiveram gastos com contas de celular e internet ao longo de 2014, 87% consideram o gasto como algo “necessário”. Além disso, o valor médio do brasileiro com esse tipo de despesa chega a R$ 104,00, o que é uma cifra elevada quando consideramos a renda média dos brasileiros. ( assessoria de imprensa).

Anterior Comércio eletrônico fatura R$ 43 bi no Brasil
Próximos Mercado de TIC brasileiro crescerá menos do que o da América Latina