Importação de celulares cresce 148% e atinge novo patamar no Brasil, diz Abinee.


O setor eletroeletrônico apresentou balança comercial deficitária de US$ 10,3 bilhões no primeiro semestre, e a previsão é encerrar um ano com déficit acumulado de US$ 23,4 bilhões, apontou a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que divulgou hoje seus indicadores para o primeiro semestre. O segmento de telecom foi responsável por US$ …

O setor eletroeletrônico apresentou balança comercial deficitária de US$ 10,3 bilhões no primeiro semestre, e a previsão é encerrar um ano com déficit acumulado de US$ 23,4 bilhões, apontou a Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), que divulgou hoje seus indicadores para o primeiro semestre. O segmento de telecom foi responsável por US$ 213 milhões de déficit comercial no primeiro semestre deste ano. No entanto, o faturamento do setor aumentou 33% em comparação ao primeiro semestre do ano passado.

PUBLICIDADE

As exportações somaram US$ 1,28 bilhão no período, crescimento de 5% em relação ao primeiro semestre de 2007, enquanto no mesmo intervalo as importações cresceram 71%, somando US$ 1,49 bilhão. Os celulares foram o principal produto exportado, alcançando US$ 1,12 bilhão, o que representa avanço de 10% frente as exportações no primeiro semestre de 2007. Em compensação, a importação de aparelhos cresceu 148% no mesmo intervalo, somando US$ 334 milhões.

Para o presidente da Abinee, Humberto Barbato, este aumento se deve às importações de aparelhos de terceira geração da telefonia celular (3G). “A 3G tem permitido uma retomada de negócios no segmento de infra-estrutura de telecomunicações e aparelhos celulares. Os fabricantes estão fazendo uma experiência com produtos importados, porque demora algum tempo até que o país tenha um mercado consumidor que justifique a produção nacional”.  Ele acrescenta que este aumento “por enquanto se dá principalmente no mercado corporativo, para a utilização do acesso a internet em telefones inteligentes, para realizar negócios”.

Já Paulo Castelo Branco, diretor de telecomunicações da Abinee, a partir de agora “vamos presenciar um novo patamar de importação de celulares no Brasil”. Ele avalia que as importações, que atingiram a casa de US$ 300 milhões por semestre, e deverão se manter nesse patamar para os próximos anos. Ele destaca ainda que ocorre um aumento do valor médio unitário do celular importado, que passou de US$ 96, no ano passado, para US$ 104 no primeiro semestre deste ano, quando, no mesmo intervalo, as importações subiram de 1,4 milhão de unidades para 3,2 milhões.

Anterior STJ aplica nova lei de recursos repetitivos em processos envolvendo a BrT
Próximos Senhores gestores de call center, mãos à obra!