IBM, Flex e FIT montam centro de testes 5G Open RAN em Sorocaba


Instalações do FIT, em Sorocaba (SP)

As empresas IBM, Flex e FIT anunciaram hoje, 11, um acordo de colaboração para o lançamento do Centro de Soluções de Telecomunicações para 5G. O Centro já está em funcionamento e possui foco em tecnologias aplicáveis a 4G e 5G e no modelo de redes abertas e desagregadas (OpenRAN). Ele está localizado nas instalações do FIT em Sorocaba (SP), e tem interconexão com o IBM Client Center, em São Paulo.

A construção hospeda pesquisas e testes para ajudar operadoras de telecomunicação e empresas a impulsionar tecnologias de nuvem híbrida aberta em redes móveis 5G na América Latina.

PUBLICIDADE

A IBM irá participar do Centro levando soluções de nuvem aberta e híbrida, como Red Hat OpenStack Platform e Red Hat OpenShift. Além disso, oferecerá soluções nativas de nuvem, como inteligência artificial, automação, segurança e IoT. A Flex irá providenciar equipamentos eletrônicos com o intuito de auxiliar na entrega e medição de sinais. Já a FIT  fornecerá conhecimento em TI e telecomunicações. O valor do investimento no centro não foi revelado.

Empresas poderão utilizar o ambiente para codesenvolver protótipos e referências baseados em OpenRAN. O intuito é maximizar o benefício das redes abertas 5G em vários setores, como agronegócio, transporte, saúde, serviços públicos, varejo e bancário. Por exemplo, uma empresa do setor de saúde poderia usar as soluções de nuvem híbrida aberta do centro e testar um protótipo de aplicativo que usa IA e edge computing para que um hospital possa fazer tomografias de maneira remota.

Oferecimentos do Centro de Soluções de Telecomunicações para 5G:

  • Co-criação de casos de uso e estudos baseados em redes abertas, desagregadas e definidas por software, como arquitetura Open RAN, para 5G. Para isso, serão utilizadas soluções baseadas em Red Hat OpenStack Platform, Red Hat OpenShift e tecnologias de nuvem híbrida da IBM;
  • Acesso a uma rede de inovação e conhecimento da IBM, através de especialistas de diferentes países para troca de experiências e práticas em 5G aberto, edge, nuvem, segurança e avanços em automação e operações com infusão de IA (AIOps);
  • Implementação de MVP (Minimum Viable Product) e avaliação do retorno de investimento para as empresas;
  • Foco no desenvolvimento de novos conjuntos de habilidades no país para fomentar a inovação e novas descobertas em redes abertas 5G e Open RAN. (Com assessoria de imprensa)
Anterior Semicondutores esperam decreto sobre crédito tributário ainda em 2020
Próximos Vicente Aquino é indicado para retornar à diretoria da Anatel