PORTAL DE TELECOM, INTERNET E TIC

Pesquisa DMI

IBGE: cai número de pessoas desocupadas

O número de empregados com carteira de trabalho assinada cresceu 1,3% em relação ao trimestre anterior.
Cresce número de trabalhadores com carteira assinada.
Crédito: Freepick

O IBGE informou hoje, 27, que caiu o número de pessoas desocupadas no país. A taxa de desocupação (8,7%) do trimestre móvel de julho a setembro de 2022 recuou 0,6 ponto percentual (p.p.) ante o trimestre de abril a junho de 2022 (9,3%) e 3,9 p.p. frente ao mesmo período de 2021 (12,6%).  O número de pessoas desocupadas (9,5 milhões de pessoas) caiu ao menor nível desde o trimestre terminado em dezembro de 2015, recuando 6,2% (menos 621 mil pessoas) no trimestre e 29,7% (menos 4,0 milhões) no ano.

A população ocupada (99,3 milhões) foi recorde da série iniciada em 2012, com alta de 1,0% (mais 1,0 milhão) ante o trimestre anterior e de 6,8% (mais 6,3 milhões) no ano.

O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) foi de 57,2%, subindo 0,4 p.p. no trimestre e 3,1 p.p. no ano. Foi o nível mais alto desde o trimestre terminado em outubro de 2015.

A taxa composta de subutilização (20,1%) foi a menor desde o trimestre terminado em março de 2016, caindo 1,1 p.p. no trimestre e 6,4 p.p. no ano. A população subutilizada (23,4 milhões de pessoas) caiu 5,3% (menos 1,3 milhão) no trimestre e 23,8% (menos 7,3 milhões) no ano.

A população subocupada por insuficiência de horas trabalhadas (6,2 milhões) caiu 5,7% (menos 375 mil pessoas) no trimestre e 20,3% (menos 1,6 milhão de pessoas) no ano. Foi o menor contingente desde o trimestre terminado em junho de 2017.

A população fora da força de trabalho (64,7 milhões de pessoas) permaneceu estável ante o trimestre anterior e recuou 1,1% (menos 727 mil pessoas) no ano.

A população desalentada (4,3 milhões de pessoas) manteve estabilidade ante o trimestre anterior e caiu 17,2% (menos 887 mil de pessoas) na comparação anual.

O percentual de desalentados na força de trabalho ou desalentada (3,8%) ficou estável frente ao trimestre anterior e caiu 0,8 p.p. frente ao mesmo trimestre do ano anterior.

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos) foi de 36,3 milhões, subindo 1,3% (482 mil pessoas) frente ao trimestre anterior e 8,2% (mais 2,8 milhões de pessoas) na comparação anual.

O número deempregados sem carteira assinada no setor privado (13,2 milhões de pessoas) foi o maior da série histórica, iniciada em 2012, apresentando estabilidade no trimestre e elevação de 13,0% (1,5 milhão de pessoas) no ano.

O número de trabalhadores por conta própria foi de 25,7 milhões de pessoas. Tanto na comparação com trimestre anterior quanto na comparação anual houve estabilidade.

Pessoas desocupadas e informalidade

O número de trabalhadores domésticos (5,9 milhões) permaneceu estável ante o trimestre anterior e subiu 9,9% (mais 532 mil pessoas) no ano. O número de empregadores (4,4 milhões) ficou estável no trimestre e subiu 14,5% (550 mil pessoas) no ano.

O número de empregados no setor público foi recorde da série histórica (12,2 milhões) crescendo 2,5% (291 mil pessoas) no trimestre e 8,9% (989 mil pessoas) no ano. Outro recorde foi o número de empregados no setor público sem carteira assinada (3,1 milhões) que cresceu 11,6% (317 mil pessoas) no trimestre e 35,4% (799 mil pessoas) no ano.

A taxa de informalidade foi 39,4% da população ocupada, contra 40,0% no trimestre anterior e 40,6% no mesmo trimestre de 2021. O número de trabalhadores informais chegou a 39,1 milhões.

O rendimento real habitual (R$ 2.737) cresceu 3,7% em relação ao trimestre anterior e 2,5% na comparação anual. A massa de rendimento real habitual (R$ 266,7 bilhões) cresceu 4,8% frente ao trimestre anterior e 9,9% na comparação anual.

(assessoria de imprensa).

TEMAS RELACIONADOS

ARTIGOS SUGERIDOS



 

Demanda por DWDM cresce e Multi PRO | ZTE amplia portfólio.
Além do DCI ZXONE – 7000 C2D produto lançado recentemente, a marca trará atualizações para equipamentos que já estão no mercado