Huawei se junta a Embrapa e CPQD para projeto voltado ao agronegócio


Parceria vai gerar soluções em Inteligência Artificial para o setor agro

Uma parceria firmada entre a Embrapa, o CPQD e a Huawei põe foco no desenvolvimento de soluções tecnológicas, para uso piloto, destinadas a melhorar a gestão e a produção em sistemas ILPF (sigla da estratégia Integração Lavoura Pecuária Floresta). Com a união das três empresas, sensores de Internet das Coisas (IoT), colares inteligentes e balança de passagem são utilizados de forma integrada para monitorar uma série de indicadores de produtividade, ambientais e de bem-estar animal em ILPF.

As empresas parceiras são responsáveis pela instalação da infraestrutura de conectividade, sensores de IoT e plataforma computacional, além de apoiar o desenvolvimento das soluções.

PUBLICIDADE

A Embrapa irá desenvolver modelos (algoritmos) de Inteligência Artificial (IA) para apoio à tomada de decisão dos produtores, usando como insumos os dados coletados pelos sensores e pela rede IoT. Com duração de 12 meses, o projeto vai até abril de 2022 e tem orçamento de R$ 1,2 milhão.

Dois centros de pesquisa da Embrapa estão envolvidos diretamente nos estudos. A Embrapa Informática Agropecuária (SP) coordena o trabalho, com foco no desenvolvimento de algoritmos de IA que darão suporte às aplicações relacionadas à predição de ganho de produtividade e ao índice de bem-estar animal para auxiliar o produtor.

As tecnologias serão implementadas no campo experimental da Embrapa Gado de Corte, em Campo Grande (MS), onde são conduzidas pesquisas de longa duração em ILPF, para a coleta de dados de microclima e monitoramento animal.

“O conjunto de dados de sensores, aliado à rede de Internet das Coisas e Inteligência Artificial, vai ajudar a antecipar o ganho de produtividade dos animais e aferir se o sistema de produção está alinhado às boas práticas”, afirma Camilo Carromeu, analista de TI da Embrapa. “As informações são importantes também para a adoção de protocolos e a certificação dos produtores, com a obtenção do selo carne carbono neutro (CNC) ou carne de baixo carbono (CBC), por exemplo”, acrescenta.

Rede 4G

A conectividade dos sensores será feita por meio da rede móvel 4G NB-IoT, utilizando equipamentos Huawei. A solução de nuvem (cloud) da empresa suportará o desenvolvimento de algoritmos com IA embarcada.

Já o CPQD fornecerá os componentes para a arquitetura de serviço, incluindo duas plataformas abertas que permitirão o armazenamento, a visualização e as análises dos dados em nuvem.

“Essa parceria irá viabilizar uma solução tecnológica inovadora para atender demandas e agregar valor ao negócio dos produtores rurais brasileiros que operam no modelo ILPF. A combinação de Inteligência Artificial e IoT em uma plataforma integrada permitirá ampliar a previsibilidade e a produtividade no manejo e, ainda, contribuir positivamente para a sustentabilidade ambiental, com a redução na emissão de gases de efeito estufa”, destaca Fabricio Lira Figueiredo, gerente de Desenvolvimento de Negócios em Agronegócio Inteligente do CPQD.

Plataformas abertas

Uma das tecnologias que o CPQD deve fornecer ao projeto é a plataforma aberta dojot, que nasceu como uma proposta open source brasileira e hoje possui uma comunidade de usuários distribuída por diversas empresas e instituições, de diferentes setores. Eles utilizam a plataforma no desenvolvimento de aplicações IoT em áreas distintas, como agronegócio, cidades inteligentes, saúde e indústria.

Outra plataforma aberta é a de Inteligência Artificial para o Agronegócio (PlatIAgro), que visa facilitar a construção de aplicações baseadas em IA, como machine learning em geral, visão computacional e processamento de linguagem natural no contexto do agronegócio brasileiro. A intenção é prover um ambiente com características que permitam ao usuário gerenciar modelos, fazer experimentações, comparar resultados e implantar de forma automatizada, dando mais agilidade ao desenvolvimento de aplicações IA voltadas ao setor.

O monitoramento diário do ganho de peso dos animais será feito com o Sistema Automático de Pesagem em Campo com Envio Remoto de Dados (“BalPass”), desenvolvido em cooperação pela Embrapa Gado de Corte, Coimma e Universidade Federal de Mato Grosso do Sul. O sistema permite acompanhar a curva de peso de cada animal, direto no pasto, por meio de sensores que coletam os dados nos corredores que levam o gado aos bebedouros ou cochos para alimentação.

Já as condições de bem-estar animal serão aferidas por meio de dispositivos eletrônicos, do tipo vestível, conhecidos como Plataforma Eletrônica Bovina (BEP, na sigla em inglês). A tecnologia é desenvolvida em parceria entre a Embrapa Gado de Corte e a UFMS, e transferida para a startup Indext Soluções Tecnológicas.

“A integração de todas essas tecnologias é o principal diferencial da pesquisa, com o uso de sensores inteligentes e a construção de uma arquitetura baseada em Inteligência Artificial que permitirá levar os dados do campo, transformados em informações úteis, diretamente às mãos dos produtores rurais”, conclui Camilo Carromeu.

Anterior Indústria eletroeletrônica amplia produção em 20,2% na primeira metade do ano
Próximos Fundo Bordeaux paga à Copel R$ 2,5 bilhões pela empresa de telecom