Huawei lança programa para ampliar participação feminina em TICs


A Huawei lançou hoje, 12, em Brasília (DF) um programa para ampliar participação feminina em tecnologia da informação e comunicação (TICs).

PUBLICIDADE

O Women in Tech foi idealizado para impulsionar carreiras das mulheres uma vez que menos de 5% dos CEOs em tecnologia e de 33% dos cargos de direção e de gerência são do sexo feminino.

Dados da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom) revelam que o setor terá uma demanda de 420 mil profissionais qualificados na área de TIC até 2024. Ao fazer um recorte de gênero, nota-se que as mulheres estão sub-representadas em empregos de TIC, posições de liderança e carreiras acadêmicas no setor.

Para Adriana Recco (foto acima), diretora de Comunicação da Huawei Brasil, o desafio começa nas universidades: “apenas 14,8% dos estudantes na área de TICs são mulheres. Para revertermos essa situação, é preciso trabalhar no ensino fundamental. Só assim, teremos resultado no mercado”. Segundo ela, a empresa tem uma área focada na educação para estimular pesquisa e desenvolvimento nas universidades.

Mulheres positivas

Uma das primeiras iniciativas da Huawei foi a parceria com a empreendedora e fundadora do Mulheres Positivas, Fabi Saad, que, na ocasião, falou sobre o projeto, os cursos oferecidos em várias áreas de tecnologia, como inteligência artificial, nuvem e 5G, além de mercado de trabalho e vagas. Segundo ela, seu objetivo é impactar cerca de 5 milhões de mulheres com seu projeto. Saad disse que as mulheres foram as mais impactadas de forma negativa durante a pandemia.

Ela destacou a importância de se ter mais mulheres em todos os espaços, para que haja “modelo de referência” para o público feminino. “A causa da mulher não é uma medida social, é uma medida socioeconômica, porque quando você coloca dinheiro na mão da mulher, quando você capacita essa mulher, essa mulher investe de novo na própria família. Então, a chance de ter uma próxima geração mais capacitada é infinitamente maior”.

Outro projeto é o WorkShop 5G Para Mulheres, um circuito de palestras, em formato on-line e presencial, para oferecer as bases técnicas da tecnologia 5G para profissionais que desejam se atualizar ou ingressar no mercado. “Estamos criando um ambiente onde a tecnologia 5G possa ser usada para aumentar o bem-estar das mulheres e incentivá-las a participarem do setor de TIC. O programa foi projetado para ter alcance nacional”, explica a executiva.

PUBLICIDADE
Anterior Anatel conclui instrução do processo sobre anulação de reunião da venda da Oi móvel
Próximos Lira afirma que foi um erro rejeitar a urgência do PL das Fake News