Huawei investe na geração de talentos no Brasil pela educação


Crédito: TV.Síntese

Uma das maiores fabricantes do mundo no setor de telecomunicações, a Huawei investe em programas de educação em diversos países. No Brasil, a empresa promove capacitação e certificação de professores e alunos, em parceria com 110 universidades e escolas públicas e privadas, com  professores cadastrados e alunos treinados todos os anos.

PUBLICIDADE

“A missão da Huawei é gerar de fato a formação de talentos para um novo Brasil”, afirma o Brazilian Talent & Ecosystem Manager da empresa, Victor Montenegro, que participou, nesta quinta-feira, 4, do Edtechs e as Escolas Públicas, promovido pelo Tele.Síntese. “A Huawei está comprometida em reduzir o gap de profissionais de TIC no mercado”, disse.

O ecossistema educacional da fabricante engloba também uma competição internacional de estudantes, a ICT Competition e eventos de empregabilidade. A principal função do ecossistema é popularizar as habilidades digitais da população brasileira e, para isso, conta com HALPS, que são parceiros qualificados para promover os treinamentos de empresas, alunos e a sociedade em geral. No Brasil ficam quatro dos 120 centros de treinamento.

Além das certificações e treinamento, a Huawei distribui materiais e cria laboratórios com parceiros. Segundo Montenegro, com a implantação do novo ensino médio, a empresa quer que os alunos, desde o ensino médio, possam ter acesso a cursos de tecnologias. Para isso, fez um convênio com o Ministério da Educação para dar suporte as escolas e, por meio disso, oferecer suporte para a sociedade brasileira.

Uma forma de suporte são as open class, com 22 aulas focadas em tecnologias, como inteligência artificial, nuvem, 5G, energias renováveis disponíveis gratuitamente. E o Story Sign, aplicativo desenvolvido em parceria com o MEC, para dar espaço a histórias infantis, além de projetos pontuais voltados para Nem-Nem, pessoas que não estão nem trabalhando bem estudando, “público que também pode ser absorvido dentro desse imenso gap de pessoal de TICs estimado em mais de 500 mil vagas”, disse Montenegro.

“Até o final do ano queremos estreitar parcerias com escolas públicas para saber como podemos ajudar”, afirma Montenegro. Já existem projetos de laboratórios de FTTH, totalmente doados pela Huawei, com objetivo de treinar pessoas da comunidade.

PUBLICIDADE
Anterior O 5G e as escolas: 'sem equipamento, não adianta conectividade', ressaltam gestores
Próximos Anatel amplia bloqueio de robocall para todas as teles e vai definir número único para cobrança