Hospital da USP vai testar aplicações do 5G na área de saúde


Crédito: Freepik. Saúde
Crédito: Freepik

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP) formou parceria com ecossistema de tecnologia, telecomunicações, governo, universidade e instituição financeira para testar a 5G na saúde. Em iniciativa do InovaHC, núcleo de inovação do complexo hospitalar, o projeto OpenCare 5G tem coordenação da Deloitte. No âmbito da engenharia, o projeto promoverá a construção de uma rede privada no conceito Open RAN.

“O objetivo é testar a tecnologia Open RAN utilizando casos reais e analisar como a conectividade do 5G pode auxiliar em diversas áreas da medicina, colaborando para melhorar a jornada do paciente e prover mais acesso aos serviços de saúde“, informou o diretor de Inovação do Hospital das Clínicas, Marco Bego.

O OpenCare 5G visa atrair investidores dos setores de tecnologia, telecomunicações e indústria farmacêutica. Objetiva ainda promover pesquisas na medicina e engenharia e fomentar o ecossistema de tecnologia nacional, por meio das medtechs e healthtechs.

Para testar a latência, o projeto usará como piloto exames de ultrassom e pré-laudos de tomografia e raios X de tórax, ressonância magnética de próstata e de crânio, e a radioterapia. Os casos de uso do 5G na saúde serão testados nas dependências do HC em até seis meses com início previsto para janeiro de 2022.

Participantes

A parceria reúne atores que têm em comum a criação de soluções baseadas em tecnologia. O projeto conta com participação do Itaú Unibanco, Siemens Healthineers, NEC, Telecom Infra Project (TIP), Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP).

A Siemens Healthineers participa do projeto OpenCare 5G com duas soluções. A AI Rad Companion possibilita aumentar a produtividade de exames, como os pré-laudos de tomografia e raios X, ressonância magnética e radioterapia. A ideia é que o tempo de aquisição de imagens diminua com a 5G, além de melhorar a qualidade de imagem para o diagnóstico. A segunda solução, o syngo Virtual Cockpit (sVC) controla à distância equipamentos de ressonância magnética e tomografia computadorizada.

O Itaú Unibanco fornecerá sua expertise em tecnologia, como o banco  a utilizar o Open RAN para trazer conexão 5G. A instituição irá alocar parte do seu data center para projetos pilotos. “Iremos utilizar nossa infraestrutura e especialistas para explorar as possibilidades que um sistema inovador como o Open RAN e a aplicabilidade da tecnologia 5G oferecem”, diz o diretor de Tecnologia no Itaú Unibanco, Fábio Napoli.

O Telecom Infra Project (TIP) consiste em um comunidade global de provedores de serviços, parceiros de tecnologia e integradores de sistemas.  Eles estão conduzindo soluções de infraestrutura para desenvolvimento, testagem e implantação de soluções abertas. O TIP traz os equipamentos e a expertise para implantação do sistema Open RAN.

A NEC atuará como o integrador de sistemas da camada de rede. Ou seja, fará instalação, configuração e comissionamento da rede 5G indoor no ambiente do InovaHC e Data Center do Itaú Unibanco. A companhia também liderará o desenho e a arquitetura de rede, além de realizar a interface junto a todos os fornecedores de equipamentos e softwares.

A Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) deverá estimular a adoção de novas tecnologias e de novos modelos de negócios. A ABDI já realiza, junto à Anatel, testes do uso de 5G em redes privativas na área industrial, do agronegócio e de cidades inteligentes.

A Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) também embarcou no projeto. A instituição será responsável pela arquitetura do sistema e pela metodologia de pesquisa. (Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Braço de investimentos do Banco Mundial compra um pedaço da Highline
Próximos Oi Soluções instala serviços IoT na sede do governo paulista