Hidrogênio verde é o petróleo do futuro


Hidrogênio verde é o petróleo do futuro
Eduardo Ricotta – Presidente da Vestas na América Latina | Credito: 5×5 Tec Summit

“Hidrogênio verde é o petróleo do futuro”, declarou Eduardo Ricotta, presidente da Vestas na América Latina, ao revelar que ocorrerá uma mudança na matriz energética. O assunto foi discutido durante o painel “Empresas aceleram adoção de fontes de energia alternativas” na 5×5 Tec Summit Energia, desta quarta-feira, 8.

As pressões para reduzir a poluição ambiental têm levado uma série de países e empresas a apostar nesta nova forma de energia limpa, que muitos acreditam ser essencial para “descarbonizar” o planeta. Especialistas afirmam que ocorrerá uma migração massiva das empresas para essa energia renovável. O motivo é o custo. A energia renovável é mais barata do que a fóssil, além de ser mais limpa.

PUBLICIDADE

Para Ricotta, ocorrerá uma “aceleração” do hidrogênio verde. “Há uma explosão de soluções a hidrogênio, e a energia eólica é a base desse elemento químico”.

Fontes energéticas

Segundo Ricotta, a energia eólica é uma solução perfeita para a questão de custo, zero emissão de carbono e da crise hídrica. “Os especialistas dizem que o Brasil é a Disneylândia dos ventos. Aqui, os ventos têm velocidade boa e pouca turbulência. Então, é um ambiente perfeito para a geração de energia eólica, principalmente no Nordeste e no Sul. Além disso, na época que menos chove no país, é quando temos mais vento”, explicou.

O diretor adjunto de Controladoria da Um Telecom, Adilson Gadelha, disse que além do país ter o melhor vento, “temos no Nordeste o sol. que é um potencial produtor de energia renovável”. A empresa partiu para a construção de sua primeira usina fotovoltaica que está prevista para inaugurar em janeiro de 2022, no município de São Caetano, em Pernambuco. A usina vai evitar a produção de 125 mil quilos de CO2 por ano. O que significa poupar 15 mil árvores.

Nos últimos anos, a energia solar deu um salto gigantesco. “Houve um amadurecimento da potencialidade de captação das placas”, disse Gadelha.

PUBLICIDADE
Anterior Copel colhe resultados do programa de rede inteligente
Próximos 2022 será marcado pela fusão entre ISPs, diz CEO da Vispe Capital