Governo quer derrubar na Justiça projeto que destina R$ 3,5 bi à conexão de alunos


Valor repassado seria de R$ 3,5 bilhões, com recursos do Fust

O presidente da República, Jair Bolsonaro, acionou o Supremo Tribunal Federal (STF) contra a Lei 14.172/2021, que prevê o repasse de R$ 3,5 bilhões pela União aos estados e ao Distrito Federal, no prazo de 30 dias após sua publicação, para a garantia de acesso à internet, com fins educacionais, aos alunos e aos professores da educação básica pública. As fontes de recursos previstas para o programa são o Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) e o saldo correspondente a metas não cumpridas dos planos gerais de universalização do serviço de telefonia fixa.

O PL foi vetado por Bolsonaro, mas o veto foi derrubado pelo Congresso Nacional e agora o presidente questiona a norma no STF por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6926, que tem o ministro Dias Toffoli como relator.

PUBLICIDADE

Segundo o texto da referida ADI, “a lei sob invectiva prevê que, no prazo de 30 (trinta) dias após a sua publicação, a União deverá entregar aos Estados e ao Distrito Federal, em parcela única, o valor de R$ 3.501.597.083,20 (três bilhões, quinhentos e um milhões, quinhentos e noventa e sete mil e oitenta e três reais e vinte centavos), a fim de garantir o acesso à internet a estudantes e professores da rede pública de ensino. A referida imposição, no entanto, foi editada à revelia de importantes regras do processo legislativo, como a iniciativa reservada do Presidente da República para diplomas que interfiram nas atribuições dos órgãos do Poder Executivo e o artigo 113 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias.”

A norma questionada, segundo o presidente, também viola as condicionantes fiscais para expansão de ações governamentais no curso da atual pandemia, fixadas tanto nas Emendas Constitucionais 106/2020 e 109/2021 quanto na Lei Complementar 173/2020, e desrespeita o limite de gastos estabelecido pela Emenda Constitucional 95/2016, o que interferirá na estruturação e custeio de ações governamentais de acesso à educação adotadas no contexto da pandemia.

O presidente argumenta que a lei criou situação que ameaça gravemente o equilíbrio fiscal da União. Ainda acrescentou que transferências vultosas de verbas públicas para a contratação de serviços de internet para os alunos da rede pública não é a medida mais eficiente para garantir o acesso, “especialmente diante das fracas contrapartidas estabelecidas na lei questionada”.

A lei que destina R$ 3,5 bilhões do Fust à conexão de professores e alunos na internet foi promulgada no mês passado. O dinheiro seria repassado pela União para estados e para o Distrito Federal, e aplicado na compra de pacotes de internet e dispositivos portáteis para escolas.

Atraso

Cristiana González, consultora da Coalizão Direitos na Rede para os temas de acesso à Internet, acha que o governo está fazendo isso só para atrasar o uso dos recursos.

“Vão adiar a execução orçamentária e tramitação dessa lei, o que prejudica ainda mais as escolas porque já vamos entrar no segundo semestre. A Secretaria de Educação tem até 31 de dezembro para usar esse dinheiro, então o governo vai atrasar o uso desses recursos”, disse González ao TS.

“Com isso, muitos alunos , principalmente da rede pública de ensino, vão continuar sendo prejudicados.”

Ela lembra que a CDR sempre apoiou “a iniciativa de usar recursos do Fust para tentar cobrir a deficiência de conectividade, seja ela móvel ou fixa.”

Anterior PGR diz que serviços postais não podem ser privatizados
Próximos "Continuamos consolidadores de ISPs", diz Gilbert, do Grupo Conexão, que tem novo dono.