Governo ingressa com ação no STF para suspender a desoneração da folha


A AGU (Advocacia Geral da União) ajuizou ação o STF (Supremo Tribunal Federal) para que seja declarada inconstitucional a prorrogação da desoneração da folha de pagamentos para 17 setores da economia, do final deste ano, para até dezembro de 2021.

É pedida a suspensão do benefício em  razão de a Câmara e o Senado terem derrubado, em novembro, o veto à prorrogação aposto pelo presidente Jair Bolsonaro. Entre os setores abrangidos pela medida estão construção civil, tecnologia da informação, comunicação, call center, transporte coletivo urbano rodoviário e metroviário e têxtil.

PUBLICIDADE

Cerca  de 6 milhões de pessoas são empregadas pelos segmentos desonerados. Entidades empresariais argumentam que o fim da desoneração no final deste ano causaria demissões em massa e inviabilizaria investimentos, conforme estudos da Brasscom (Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação). 

A ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade), ajuizada na noite dessa terça-feira, 15, assinada pelo advogado-geral da União, José Levi. A AGU sustenta que a derrubada do veto do presidente ocorreu de forma irregular desrespeitando respeitou o devido processo legislativo.

“Além de representar perda de receita para a União, da ordem de R$ 10 bilhões, em 2021, a rejeição ao veto presidencial à prorrogação da folha de pagamentos […] irá exercer pressão ostensiva sobre a regra constitucional estabelecida pela Emenda Constitucional no 95/2016, que instituiu o Teto de Gastos Públicos, suprimindo a possibilidade de realização de outras despesas”, alega a petição inicial da AGU.

Segundo a AGU, as casas legislativas não fizeram estimativas de impacto orçamentário e financeiro da medida, o que seria inconstitucional. A União destaca que a perda de receita com a prorrogação da desoneração é de R$ 10 bilhões em 2021.

A desoneração permanecerá em vigor até o fim de 2021. Antes, iria expirar no fim deste ano, mas foi prorrogada pelo Congresso. O presidente Jair Bolsonaro vetou a extensão. Mas, em novembro, o veto do presidente foi derrubado por deputados e senadores e a medida seguiu para promulgação.

Um dos principais defensores da proposta no Congresso, o senador Major Olímpio (PSL/SP), líder do partido, afirmou que o governo e a AGU despeitaram o parlamento por duas vezes. Na primeira, detalhou, quando o presidente Bolsonaro vetou a prorrogação da desoneração e agora ao ingressar com ação contra o benefício após a derrubada do veto.

“É uma guerra inútil que o governo vai travar com o Congresso e que gera insegurança jurídica”, afirmou o parlamentar em sua conta no twitter.

Ação anunciada

Apesar de descartada por apoiadores da proposta no Congresso e por entidades empresariais dos segmentos afetadas, a eventual ação do governo foi anunciada com temor pelo líder do Governo do Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO) durante a votação da derruada do veto presidencial no Senado. Ele citou que o ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, havia apontado irregularidades na aprovação da matéria por não haver previsão de renúncia fiscal equivalente no Orçamento de 2021.

Segundo Gomes, a decisão de abrir mão do veto da desoneração foi difícil porque o Executivo avalia que está criando despesas sem apontar uma receita, o que é proibido. “Mas, no entendimento que o Congresso Nacional faz da necessidade de que nenhuma correção pode ser melhor neste momento do que, em véspera de fim, em fim de exercício fiscal, colocarmos 6 milhões de pessoas na possibilidade do desemprego”, disse.

Anterior "Usamos equipamentos chineses há 20 anos sem histórico de vazamentos", diz Capdeville
Próximos Claro divulga iniciativa para expansão de rede no campo