Governo estuda distribuir conversor sem Ginga


O ministro das Comunicações, André Figueiredo, afirmou hoje, 11, que o governo está estudando alternativas para ampliar a distribuição dos conversores de TV analógica para digital para mais famílias das classes C, D e E que integram o programa do Cadastro Único do Bolsa Família, e não apenas para seus beneficiários, como é hoje.

Segundo o ministro, várias alternativas estão sendo estudadas, entre elas a da distribuição do conversor Zap, mais barato, que não traz integrado o Ginga, o software nacional embargado.

“A política do governo estabelece que o Ginga deve estar presente nos equipamentos a serem distribuídos para os beneficiários do Bolsa Família, mas não fala nada em relação à ampliação dessa distribuição”, explicou Figueiredo, hoje, 11.

PUBLICIDADE

O programa, que está sendo negociado com a EAD (empresadas operadoras de celular que financia a transição da TV analógica para a digital), prevê, segundo o ministro, uma “concertação” maior, envolvendo também as lojas, a CNI e os fabricantes de TV, para que se consiga ampliar o alcance das famílias que precisam ter o conversor para a TV ser desligada.

Figueiredo acredita que quando se começar o processo de desligamento em Brasília, no próximo ano, essa programa já estará resolvido.

Prazo

O ministro voltou a afirmar que, para ele, o prazo final do desligamento da TV analógica, 31 de dezembro de 2018, é inegociável. “Já houve quem quisesse adiar este cronograma, mas ele é inegociável”, afirmou o ministro.

Ele confirmou que no próximo dia 15 estará em Rio Verde para anunciar o cronograma de desligamento da TV analógica na cidade, além de ver os testes da banda larga móvel na faixa de 700 MHz que serão realizados pela Claro.

 

Anterior Vodafone processa KPN por prática anticompetitiva
Próximos Novos critérios para aferição da TV digital estão no Gired