Google quer ser operadora, mas pequena


O Google apresentou hoje (2) na feira Mobile World Congress, em Barcelona (Espanha) a evolução de suas iniciativas de inclusão digital. A empresa espera conectar a população de fora da rede com três iniciativas, segundo Sundar Pichai, vice-presidente sênior da Google: o projeto Loon, que usa balões, o Titan, com aviões não tripulados movidos a energia solar, e com fibra óptica. “Queremos ter um backbone, que outras empresas poderão acessar”, falou. A isso, porém, somou-se uma novidade. A empresa também quer entrar na oferta de telefonia móvel com uma operadora virtual.

O executivo confirmou os rumores que a empresa estaria planejando avançar no mercado das teles. Ele justificou a decisão como estratégica para inovações futuras. E afirmou que a intenção não é, nem de longe, roubar mercado das teles. “A essência do Android é um ecossistema construído com muitos parceiros. Sempre tentamos expandir os limites disso, como fazemos com hardware e software no caso do Nexus [smartphone que leva a marca Google]”, exemplificou.

No âmbito da telefonia móvel, a companhia não quer “ser uma operadora em larga escala, por isso trabalhamos com nossos parceiros. Veremos o resultado dessas ideias daqui há alguns meses”, ressaltou. Uma das inovações que a empresa quer mostrar serem possíveis às operadoras é a retomada automática de chamadas interrompidas. 

PUBLICIDADE

Pagamentos Móveis
Pichai também comentou a iniciativa da Google no mercado de pagamentos móveis. O Android Pay será uma camada de software sobre o sistema operacional. Esta camada poderá ser usada por qualquer desenvolvedor. O Google Wallet, carteira digital da companhia, usará essa camada, mas outros desenvolvedores também poderão desenvolver para ela.

“[A tecnologia] usará também o NFC. Estamos em uma etapa de desenvolvimento diferente da Samsung, mas não necessariamente vamos competir”, disse ainda sobre o Samsung Pay, tecnologia lançada ontem pela empresa sul-coreana e que permite o pagamento móvel em qualquer terminal de cartões de crédito, mesmo naqueles sem NFC.

Anterior CEO da Alcatel-Lucent defende neutralidade com "flexibilidade"
Próximos Zuckerberg evita disputa e adota tom conciliador com operadoras