Google afirma que não irá criar identificadores alternativos após a eliminação dos cookies


O Google anunciou hoje, 3, que, após eliminar o uso de cookies de terceiros no navegador Chrome, não vai criar identificadores alternativos para rastrear a navegação de usuários nem fará uso dessas informações nos produtos da empresa.

PUBLICIDADE

A big tech também afirmou que irá disponibilizar neste mês audiências com base no novo padrão de direcionamento de anúncios, o FloC (Federated Learning of Cohorts), para teste público. No segundo semestre, começarão a testar audiências utilizando essa padrão com anunciantes do Google Ads.

No ano passado, a empresa havia anunciado sua intenção de alterar sua política de cookies. Embora que outros servidores continuem a oferecer serviços de rastreamento, a empresa diz que essas soluções não irão resistir às restrições regulatórias. Depois do Google anunciar a retirada dos cookies do Chrome, as ações de seus rivais, como Criteo e The Trade Desk, caíram.

A big tech já foi multada em € 100 milhões por desrespeitar o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR). Em dezembro do ano passado, a Comissão Nacional de Informática e Liberdade (CNIL), órgão francês de regulação de tratamento de dados, puniu a empresa por instalar cookies nos computadores de usuários sem seu consentimento prévio, para fins publicitários. Também a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) obriga entidades a pedirem consentimento aos titulares para tratamento de dados e a informar a necessidade e finalidade do tratamento.

A nova aposta do Google, o FLoC

A big tech declarou que continuará seus esforços com o Google Sandbox. Lançado pelo Chrome em 2019, o Google Sandbox permite a experimentação de ferramentas fora do ambiente de produção ou implementação de software. Com isso, o Google busca desenvolver um conjunto de padrões web abertos que buscam, principalmente, melhorar a privacidade na internet. “O Google acredita que é necessário avançar na agregação, anonimato e processamento de dados no dispositivo”, afirmou em nota.

Uma das soluções apresentadas é o FloC, que agrupa pessoas com um interesse em comum. Essa abordagem “esconde” as pessoas “no meio da multidão” e usa o processamento no dispositivo para manter o histórico da web de uma pessoa privado em seu navegador. Os testes do FLoC demonstraram que houve, pelo menos, 95% de conversões a cada dólar investido para anunciantes. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Decreto retira prazos para formação do Comitê Gestor da Segurança da Informação
Próximos Megatelecom vai investir R$ 150 milhões em aquisições de ISPs