Gebara afirma que Vivo vai repassar para o consumidor toda a queda do ICMS


Christian Gebara vai reduzir para os clientes de São Paulo o corte do ICMS decidido ontem pelo governo estadual. ” Nós vamos reduzir integralmente o ICMS para os nossos serviços. Já estamos adaptando os nossos sistemas”, afirmou.

Segundo o CEO da Vivo, a operadora começará com os descontos em novos planos.

O presidente da Vivo, Christian Gebara, afirmou hoje, 28, em Brasília, que vai reduzir para os clientes de São Paulo o corte do ICMS decidido ontem pelo governo estadual. ” Nós vamos reduzir integralmente o ICMS para os nossos serviços. Já estamos adaptando os nossos sistemas e, à medida que eles permitirem, nós vamos implementar”, afirmou o executivo.

Segundo ele, o corte nas tarifas – o ICMS de São Paulo para o setor de telecomunicações caiu de 25% para 18% –  será iniciado mais rapidamente nos novos serviços, e depois será adotada para os demais planos da empresa. ” Se não conseguir fazer em todos os planos antigos, deixarei os clientes migrarem para os novos planos”, afirmou Gebara.

PUBLICIDADE

Ele disse que a Vivo só voltará atrás do repasse do imposto para as tarifas, se o Supremo Tribunal Federal (STF) tomar uma decisão contrária ao corte tarifário, tendo em vista que hoje pela manhã os governadores ingressaram com uma nova Ação Direta de Inconstitucionalidade junto ao Supremo, para reverter a iniciativa dos estados de São Paulo e Goiás, que já anunciaram a redução do imposto, depois da lei com limite máximo de alíquota sancionada por Bolsonaro na semana passada.

“Estamos correndo para implementar a medida de São Paulo. Mas o STF tomar outra decisão, teremos que voltar atras. Seria muito mais fácil se todos os estados decidissem da mesma forma, pois poderíamos promover uma mudança nacional, mas cada estado tem uma peculiaridade”, afirmou Gebara.

A expectativa de Christian Gebara é a de que, com a redução do imposto, as consumidores possam adquirir mais bens digitais – sejam de entretenimento, seja de educação. “Estamos lutando para o uso mais extensivo e mais completo para as pessoas”, afirmou.

Concessão

Gebara afirmou ainda que, enquanto não forem concluídos todos os passos que definem os temas em debate sobre a concessão de telefonia fixa – o desequilíbrio econômico ou não da concessão em favor das empresas; o custo das obrigações; o valor dos bens reversíveis -, a Telefônica Vivo não irá se antecipar sobre a devolução ou não da concessão antes do prazo previsto – de 2025.

“O presidente da Anatel, Carlos Baigorri, disse aqui no evento que ele só enxerga o processo concluído em 2024. Vamos ver”, afirmou.

 

PUBLICIDADE
Anterior CEO da Vivo defende sociedade digital para diminuir desigualdade social no país
Próximos Febraban cobra mais propostas e menos ideologia na corrida eleitoral