Gastos com infraestrutura 5G vão dobrar neste ano


Considerando as vendas de equipamentos 2G, 3G e 4G, o mercado dos fabricantes de infraestrutura de telecomunicações não vai repetir o crescimento de 2019 e terminará 2020 com retração de 4,4%, em função principalmente do revés econômico causado pela pandemia de Covid-19.

A consultoria Gartner divulgou hoje, 3, que os gastos com infraestrutura 5G vai praticamente dobrar neste ano, em relação a 2019. A empresa diz que os investimentos vão chegar a US$ 8,12 bilhões, 96% a mais. Na esteira desse aporte vem a compra e instalação de small cells. Esse tipo de antena pequena terá expansão de 7,4% nas vendas, que deverão somar US$ 5,73 bilhões.

No total, porém, os gastos com infraestrutura sem fio deverão diminuir 4,4%, registrando US$ 38,1 bilhões, em 2020.

PUBLICIDADE

As projeções foram divulgadas hoje, e dizem respeito a relatório feito pela consultoria com dados até o mês de julho. O levantamento mostra que o mercado de núcleo de rede ficará estável em US$ 4,78 bilhões. Já a compra de equipamentos de tecnologias legadas, como LTE, 3G e 2G, continuarão em forte retração. O investimento em 4G (LTE), por exemplo, cairá 20,8%. Em 3G, 37,1%. E em 2G, em vias de sumir do mapa, vai encolher mais 40%. Veja na tabela os detalhes.

“O investimento em infraestrutura wireless continua ganhando força, pois um número crescente de fornecedores está priorizando os projetos de 5G, reutilizando ativos atuais, incluindo redefinições de espectro das bandas de sinais, de estações base e de redes principais e de transporte, além da transição de gastos do 4G LTE para o modo de manutenção”, diz Kosei Takiishi, Diretor Sênior de Pesquisa do Gartner.

Previsão de gastos em infraestrutura sem fio, em todo o mundo, 2019-2020 (em milhões de dólares) 

Segmento  2019  Crescimento 2019 (%)  2020  Crescimento em 2020 (%) 
5G 4,146.6 576,6 8,127.3 96,0
LTE e 4G 20,693.2 1,2 16,402.0 -20,8
3G 4,146.6 -25,7 2,608.4 -37,1
2G 797.4 -46,9 472.2 -40,8
Small Cells 5,342.7 11,6 5,736.6 7,4
Núcleos para rede celular 4,744.7 3,2 4,780.3 0,3
Total  39,871.2  6,2  38,126.7  -4,4 

Devido ao arredondamento, alguns números podem não corresponder exatamente aos totais mostrados. Fonte: Gartner (Julho de 2020) 

O crescimento do investimento em 5G impressiona. Embora em 2019 o investimento tenha crescido 576,6%, é importante lembrar que em 2018 (com o qual foi comparado) as redes 5G eram quase inexistentes. Além disso, este ano é atípico pela crise resultante da pandemia de Covid-19.

Enquanto em 2020, Coreia do Sul, Estados Unidos e boa parte da China já terão cobertura em larga escala na nova tecnologia móvel. O Gartner prevê que empresas da Grande China (China, Taiwan e Hong Kong), além de fornecedores da Ásia, América do Norte e Japão atingirão 95% de suas populações com a cobertura 5G em 2023.

Não apenas operadoras

O investimento em 5G excederá os gastos em 4G LTE em 2022.

Os números, é bom lembrar, são formados não apenas pelos aportes das operadoras. Estas, na verdade, representarão um quinto de todo investimento mundial em infraestrutura de telecomunicações. Os investimentos realizados pelas operadoras e fornecedores de serviços CSP (Communications Service Providers, na sigla em inglês) em infraestrutura de rede 5G representaram 10,4% da receita total da infraestrutura sem fio em 2019. Esse número chegará a 21,3% em 2020.

No curto prazo, a Grande China liderará o mundo no desenvolvimento 5G, com 49,4% do investimento mundial em 2020 atribuído à região. A infraestrutura de baixo custo da região, o patrocínio do Estado e as barreiras regulatórias locais mais reduzidas estão abrindo caminho para que os principais fornecedores chineses possam desenvolver rapidamente a cobertura 5G no país.

O Gartner espera que os investimentos em 5G voltem a crescer modestamente em 2021, à medida que os fornecedores de serviços de comunicação busquem novas formas para capitalizar os comportamentos provocados pela elevada dependência das pessoas às redes de comunicação móvel. O investimento em 5G excederá os gastos em 4G LTE em 2022.

Os fornecedores adicionarão gradualmente recursos autônomos às suas redes 5G não-autônomas (NSA – de non-stand-alone, na sigla em inglês). A consultoria prevê que, até 2023, 15% dos fornecedores de serviços de comunicação em todo o mundo operarão redes 5G autônomas e que não dependem da infraestrutura de rede 4G. Isso desviará rapidamente o investimento das redes wireless 4G LTE para novos formatos, e os gastos com a infraestrutura RAN legada diminuirão rapidamente.

Anterior Anatel apresenta objeção ao PRJ da Oi
Próximos MP do Fistel deve ser votada amanhã. Teles são contrárias às propostas do relator