Futuro da GVT dependerá da nova empresa de mídia da Vivendi


O futuro da GVT vai depender de quanto poderá auxiliar as empresas da área de mídia da Vivendi, à medida que o conglomerado francês parte para o processo de separação do negócio de telecomunicações na França, a SFT. Após tentativas frustradas de venda da empresa que atua em banda larga e TV paga no Brasil – a Vivendi não obteve o valor almejado – o negócio pode se tornar o corpo estranho na empresa de mídia nascente, uma vez que a venda da Maroc Telecom foi bem sucedida. Parte do mercado aponta para a estranheza de se manter o ativo, o que pode impactar a confiança no potencial na “Vivendi Mídia”. 

Em conferência com analistas nesta quinta-feira (14), o CFO do grupo, Philippe Capron, declarou que atualmente a empresa não busca vendê-la, e lembrou que estão em andamento negociações para um projeto ambicioso, em parceria com a Echostar, na área de TV por assinatura no Brasil.

“No momento, não olhamos para outras possibilidades. Se a empresa vai para a área de conteúdo ou se vai entrar em plataformas de distribuição, isso é algo a ser decidido na próxima fase da história da Vivendi”, afirmou. 
 

Anterior Anatel altera norma para permitir venda de aparelho com homologação vencida
Próximos Ministros participam de teste com balões para oferta de banda larga em lugares remotos