Furukawa inicia série de treinamento para pré-venda


mesa-redonda-reuniao-ideia-trabalho-internet pessoas circuloDentro de sua área de treinamento a clientes, a Furukawa, fabricante de cabos ópticos e elementos para instalação de redes, decidiu apostar em um novo segmento. Não só para atrair clientes, mas para qualificar o segmento de mercado de provedores regionais de acesso à internet e serviços de telecomunicações e “evitar erros de projeto”.

A novidade foi anunciada durante o Encontro Provedores Regionais Aracaju realizado ontem (14), na capital sergipana, pela Bit Social, com apoio institucional da Abrint e da Momento Editorial. Segundo Marcos Kazushi, responsável por vendas aos provedores da Furukawa, o novo treinamento é aberto a qualquer interessado. Os cursos serão iniciados em abril ou maio, serão mensais, e serão realizados tanto na sede da empresa em Curitiba (PR) como nas instalações da Asga, em Paulínia (SP), fabricante de sistemas ópticos comprada pela Furukawa no final do ano passado.

As inscrições podem ser feitas pelo site da empresa ou nas entidades de provedores de acesso à internet (Abrint, Abranet, Onid, entre outras). De acordo com Kazushi, o objetivo do treinamento do pré-venda é permitir aos provedores conhecer melhor tecnologias e produtos e, assim, reduzir “os erros de projeto básico”.

PUBLICIDADE

Novos lançamentos

Kazushi informou, também, que a empresa vai ter disponível para o mercado, a partir de abril, as OLTs (Optical Line Terminal) de tecnologia GPON (Gigabit Capable Passive Optical Network), equipamento utilizado em redes FTTx (Fiber To The X) como concentrador de assinantes e que tem, como função, distribuir o acesso a cada usuário da rede e realizar tarefas de gestão, tais como controle de acesso, gerência de banda, disponibilização de serviços, etc. Como são de tecnologia nacional (da linha adquirida da Asga), “o preço deve baixar”, disse.

Em relação às ONUs (Optical Network Unit), equipamento usado em redes FTTx, no ambiente do assinante ou em determinado ponto de acesso, para fazer a conversão entre o sinal óptico que trafega na rede PON (Passive Optical Network) e o sinal elétrico que trafega nas redes locais (LANs), ele disse que estarão disponíveis no final do semestre. “Será um equipamento customizável. Estamos em fase final de desenvolvimento e será compatível com três marcas do mercado”, relatou.

Anterior Oi pretende transformar dívidas em ações, com deságio de até 80%
Próximos Aracaju faz PTT privado, para fomentar ecossistema da internet