Furto e roubo de cabos cresceram em 2020 e custaram R$ 1 bi ao setor


A Federação Nacional de Instalação e Manutenção de Infraestrutura de Redes de Telecomunicações e de Informática (Feninfra) também está mobilizada juntamente com a Conexis Brasil Digital com objetivo de sensibilizar o Poder Público a respeito do furto e do roubo de cabos de cobre no país.

Conforme as entidades, em 2020, o problema afetou 6,7 milhões de usuários, 34% a mais do que em 2019. “No ano passado, foram registradas no Brasil 96 mil ocorrências de furtos e roubos de cabos de cobre, equivalendo a uma extensão de 4,6 mil quilômetros de fios, maior do que a distância entre os extremos brasileiros, do Oiapoque ao Chuí, que é de 4,2 mil quilômetros”, diz Vivien Mello Suruagy, presidente da Feninfra.

O volume supera em 16% o verificado em 2019. Para o mercado de telecom, os crimes significaram perda de aproximadamente R$ 1 bilhão em 2020.

Considerando a gravidade do problema, Vivien Mello Suruagy defende a aprovação ágil dos projetos de lei 5.845 e 5.846, ambos de 2016, de autoria do deputado Sandro Alex (PSD-PR), cujo relator na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Federal é Felipe Francischini (PSL-PR).

Embora os crimes de furto e roubo já sejam tipificados no Código Penal brasileiro, a primeira proposta prevê sua alteração, estipulando pena de três a oito anos de reclusão para casos envolvendo cabos de cobre e equipamentos de telecomunicações.

O segundo PL estabelece sanção penal para qualquer atividade exercida com a utilização de equipamentos e cabos obtidos por meio criminoso, inibindo, assim, a receptação. “Esperamos a aprovação dos dois projetos, com a expectativa de que possam intimidar esses criminosos, que tantos prejuízos têm causado aos usuários, às operadoras e ao Brasil”, afirma Vivien Mello Suruagy. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Vivo está entre os Líderes em Governança Corporativa na Alas 2021
Próximos Certificação de segurança precisa abranger o produto acabado, alerta a Qualcomm