Federação dos Engenheiros contesta ação da PGR favorável à cobrança por passagem em via pública


A Federação Nacional de Engenheiros (FNE) se manifestou em nota contrária à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 6482) ajuizada pela Procuradoria-Geral da República no STF que questiona o artigo 12 da Lei Geral das Antenas (13.116/2015). O relator responsável pelo caso é o ministro Gilmar Mendes.

O artigo 12 proíbe Federação, estados e municípios de cobrarem a contraprestação por “passagem em vias públicas, em faixas de domínio e em outros bens públicos de uso comum do povo” para instalação de infraestrutura. O que a FNE afirmou ser importante  para o desenvolvimento e avanço tecnológico e para impedir cobranças arbitrárias da gestão local.

PUBLICIDADE

O principal argumento da ADI, iniciada em julho deste ano, indica que a proibição da cobrança fere a autonomia de entes federados e os impede de arrecadar recursos que poderiam ser aplicados em serviços públicos locais e, assim, “fomentar atividades exploradas em regime de competição”. A PGR ainda alegou que é usual o pagamento por uso do bem público como elemento atividade econômica ou comercial, com o intuito final de socializar benefícios a toda população.

O que diz a FNE

Porém, a FNE argumenta que a renda perdida pelo artigo 12 tem efeito “nulo”, pois não é e nunca foi comum que os municípios cobrassem pela utilização desses bens públicos. Ainda assim, a entidade diz que a falta do artigo seria uma sinalização para que entes federassem  pudessem definir arbitrariamente os preços. Ao aumentar custos para o setor telecomunicação, se retardaria o desenvolvimento e avanço tecnológico. Isso, em um momento que critérios de conectividade se tornam mais rígidos e surgem maiores demanda de transporte de gigabytes.

Para a entidade, as finanças comprometidas dos governos poderia acentuar as cobranças. A PGR, por sua vez, diz que não ter essa fonte de renda agravaria a crise fiscal já prejudicada pela diminuição da tributação com o Coronavírus.

Em relação a autonomia de estados e municípios, a entidade contesta que a lei garante a eles outras atribuições no ordenamento territorial. De acordo com a Lei Geral das Antenas, cabe aos municípios conciliar ordenamento territorial e de telecomunicações; reduzir o impacto paisagísticos da infraestrutura de telecomunicações; e integrar atividades de instalação de infraestrutura de suporte e de urbanização.

A anulação do artigo também traria insegurança jurídica, acrescenta a FNE. Jurisprudências do STF já determinaram que municípios não cobrassem concessionárias de distribuição de energia elétrica ou prestadores de serviços de telecomunicações pelo uso do solo público. Na cidade de Ji-Paraná, por exemplo, o tribunal declarou inconstitucional a exigência de taxas para a Centrais Elétricas de Rondônia (Ceron) na instalação de postes.

Conforme a nota, a medida da PGR corresponde aos interesse do setor das concessionárias de rodovias, que também não estão autorizadas a cobrar pela passagem. Mas a entidade aponta que o Decreto 10.480 ofereceria outra oportunidade para que as concessionárias faturem com infraestrutura de telecomunicação participando da execução das obras. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Minicom já avalia criação da superagência proposta pela OCDE
Próximos Investimento das teles na 5G DSS prosseguirá em 2021, prevê Huawei