Flavia Nassif: Como monetizar dados geográficos para gerar vantagem competitiva


flavia nassif
Flavia Pollo Nassif é diretora comercial da Triad Systems. Formada em Tecnologia da Informação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Flavia Nassif tem MBA de Gestão Empresarial em Telecomunicações pela Fundação Getúlio Vargas.

Por Flavia Pollo Nassif*

Com 90% dos dados com características geolocalizadas, o mercado de telecomunicações tem excelentes oportunidades de aplicação de Big Data analytics para auxiliar decisões e gerar insights de negócio que trarão monetização de produtos e novos serviços.

A visualização das informações em mapas dinâmicos, em tempo real, é chamada de geo analytics e representa a união de grandes volumes de dados não estruturados com business intelligence.

PUBLICIDADE

O big data geoespacial capacita as operadoras com uma visão de negócios mais especializada e segmentada, o que pode aumentar, em muito, o retorno sobre o investimento dos projetos.

Porquê usar o big data geoespacial em uma operadora
Para entender as necessidades das operadoras e atender as demandas de negócio. Pode-se, por exemplo, usar as informações sobre o padrão de mobilidade dos usuários de telefonia móvel e oferecer serviços diferenciados com base em geolocalização.

Como aproveitar melhor o big data
Muito foi investido em big data, mas pouco retorno foi gerado. Com um serviço de big data geoespacial aplicado por especialistas é possível encontrar regiões com maior demanda, perfis diferentes de usuários e gargalos de infraestrutura. Analisar os problemas e as oportunidades sob a perspectiva geográfica possibilita a ampliação da cobertura e uma melhor análise dos concorrentes por região e market share.

Ofertando planos mais segmentados
Estamos na era da personificação da massa. No lugar de ter uma abordagem generalista, a operadora pode fazer abordagens personalizadas de acordo com o perfil do consumidor e do potencial da região, aumentando, assim, o retorno do investimento.

Operadoras digitais
Ainda há muita competição entre as companhias para encontrar e entender o poder do big data para revolucionar seus negócios digitais. Creio que a verdadeira transformação virá quando a operadora pautar sua abordagem pelas informações dos usuários, cruzando location intelligence com big data.

Anterior Minoritário quer assembleia para mudar o board da Oi
Próximos São Paulo começa a usar app para cobrança em estacionamento público