Fibra óptica e acesso móvel, a receita da TIM para a banda larga.


Apesar das inceterzas provocadas pela crise econômica mundial, Luca Luciani diz que a TIM vai manter os investimentos previstos de R$ 2,3 bilhões pois há muito espaço para crescer no mercado móvel e em serviços convergentes, especialmente na banda larga. E, para isso, é fundamental que a empresa conte com um redes de fibra óptica …

Apesar das inceterzas provocadas pela crise econômica mundial, Luca Luciani diz que a TIM vai manter os investimentos previstos de R$ 2,3 bilhões pois há muito espaço para crescer no mercado móvel e em serviços convergentes, especialmente na banda larga. E, para isso, é fundamental que a empresa conte com um redes de fibra óptica associadas ao acesso móvel ao cliente. A compra da Intelig, em negociação pela empresa, insere-se nesse contexto.

Enquanto o negócio não é concretizado, a TIM já fez algum investimento em rede própria – construiu um backbone óptico entre o Rio de Janeiro e São Paulo, que será brevemente inaugurado. Com infraestrutura própria espera não só melhorar a qualidade do serviço e ampliar os clientes de banda larga, mas também reduzir os custos com o aluguel de redes de terceiros, que somam R$ 4 bilhões ao ano. Dos investimentos programados para este ano, 60% serão aplicados na rede, tanto na 2G como na 3G.

PUBLICIDADE
Anterior TIM reposiciona a imagem, com foco nas classe A e B.
Próximos TIM Part: Telco recorre contra decisão da CVM.