Febraban e Ministério da Justiça se unem para criar estratégia de cibersegurança


Projeto inclui campanhas de conscientização da população sobre os riscos cibernéticos e fraudes

O presidente da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), Isaac Sidney, e o ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, se reuniram nesta sexta, 10, na sede da primeira, para decidir detalhes sobre a criação da Estratégia Nacional de Combate ao Crime Cibernético. A iniciativa tem o intuito de aprimorar o combate aos crimes eletrônicos e cibernéticos no país.

A ideia é seguir os moldes da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA), que tem apresentado resultados positivos desde sua criação em 2003. Segundo comunicado da Febraban, a proposta conjunta com a Segurança Pública pretende ampliar a identificação e repressão dos responsáveis pelos crimes, expandir o conhecimento técnico das forças de segurança e promover a cooperação permanente entre agentes públicos e privados.

PUBLICIDADE

“Para isso, teria como instrumento o desenvolvimento conjunto de plataformas de compartilhamento de dados de fraudes por meios digitais, o apoio à capacitação das forças de segurança em temas de cibersegurança e fraudes digitais, utilizando inclusive o laboratório de Cibersegurança da Febraban”, diz a federação dos bancos.

O projeto conjunto inclui também atuação em campanhas de conscientização da população sobre os riscos cibernéticos e fraudes. (Com assessoria de imprensa)

Anterior Vivo lança banda larga por fibra óptica em mais 7 cidades
Próximos Alcance do R-Ciber é motivo de polêmica na Anatel