Fazenda não descarta aumento do Fistel para o ajuste fiscal


“Não é segredo para ninguém o esforço que está sendo feito. Não queremos tributos novos, mas dentro do que existe, estamos explorando todas as opções”, afirmou Paulo Correa, secretário de Acompanhamento Econômico do MInistério da Fazenda

O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda,Paulo Correa, afirmou hoje, 17, que embora o governo ainda não tenha batido o martelo sobre o aumento do Fistel (Fundo de Fiscalização), ele não descartou esta medida como mais uma alternativa para o ajuste fiscal.

PUBLICIDADE

” Não há nada definido. Mas não é segredo para ninguém o esforço que está sendo feito. Não queremos tributos novos, mas dentro do que existe, estamos explorando todas as opções”, afirmou o secretário. Ele participou de seminário promovido hoje, 17,  pela Anatel.

Ele explicou que o ministério está avaliando todas as taxas e contribuições e suas defasagens em relação à inflação. “Estão sendo avaliadas as últimas correções de diferentes taxas e contribuições, em que época foram e como foram aplicadas. Mas isto se aplica a todas as taxas e não especificamente de um único setor”, afirmou.

Para ele, a sociedade brasileira deve discutir, no futuro a nossa estrutura tributária. “A única maneira de se reduzir impostos é reduzir os gastos”, completou.  No seu entender, nos últimos anos não foi feita uma política anticíclica, mas aumento dos gastos.

Hoje, as operadoras de telecomunicações se encontraram com o ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, e entregaram um documento com projeções muito pessimistas sobre um possível aumento desta taxa, conforme se especula pela imprensa. Para as operadoras, haverá queda  no número de assinantes de celular, aumento de preço, e prejuízos operacionais.

Risco regulatório

Em sua avaliação, os  investidores privados sabem que  vivem com o risco cambial ou com os riscos comercias. “O que eles não sabem lidar é com o risco regulatório, completou. Para ele, este risco regulatório afeta o capital e implica menor oferta de serviço, com tarifa maior.

 

 

 

Anterior Com Bradesco e Ceitec, BB avança em projetos de nacionalização
Próximos Carteira digital móvel da Stelo será lançada em setembro