Saem os óculos, entra a câmera: a nova visão do Facebook para a realidade aumentada


Sem mencionar a Oculus Rift, empresa que adquiriu há três anos, Mark Zuckerberg defende forma de levar a tecnologia da realidade aumentada aos celulares comuns através de aplicativos. Rede social anunciou hoje novos recursos para o app Messenger.

camera-effects-facebookO CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, anunciou nesta terça-feira, 18, que a companhia está aumentando as apostas na realidade aumentada (AR, na sigla em ingês). Ele lançou, para desenvolvedores, uma plataforma de criação cujo foco está em acrescentar funções à câmera do smartphone, batizada Camera Effects.

A plataforma é capaz de reconhecer o ambiente da imagem captada, tem tecnologia de localização e reconhecimento espacial imediato, tem fácil modelagem e inserção de objetos tridimensionais e efeitos, e também reconhece objetos. “Atualmente estamos no início da criação das ferramentas de realidade aumentada. Estamos, com isso, criando uma nova ferramenta, e mais avançada”, falou, durante a conferência F8, em que se reúne pessoalmente com os criadores de apps, nos Estados Unidos.

Segundo ele, foi preciso rever o conceito de como a AR funciona para redirecionar os esforços de pesquisa. “Eu costumava achar que óculos seriam a primeira e principal plataforma de realidade aumentada e se popularizar. Hoje, percebo que será a câmera”, ressaltou.

PUBLICIDADE

Ainda este ano, a plataforma deve ganhar mais recursos, como um motor básico para criação de games. Enquanto recursos mais avançados não chegam, os desenvolvedores conseguem pensar em formas de acrescentar filtros às imagens e camadas de informação adicional – como dados sobre um ponto turístico.

O Facebook ainda não chegou em um app leve, compatível com os celulares atuais, e que permita a interação plena com o ambiente. “Isso ainda deve demorar um pouco para se desenvolver, mas no longo prazo acredito que esta tecnologia realmente vai mudar a forma como usamos nossos celulares”, disse Zuckerberg. Mas caminha para tornar o Messenger a porta de entrada para este universo.

Messenger
O executivo não descartou os investimentos feitos em realidade virtual. Segundo ele, AR e VR andam de mãos dadas. Mas a segunda depende ainda mais de inteligência artificial, algo que a empresa tem desenvolvido para melhorar o uso do aplicativo Messenger. A ideia é que o mensageiro seja capaz de incorporar serviços de atendimento automatizado, graças à inteligência artificial – vale lembrar que a plataforma já é compatível com o uso de bots, capazes de gerar respostas básicas aos usuários ou traduzir conteúdos, por exemplo.

Hoje, alguns usuários dos EUA terão acesso a novas ferramentas do Messenger, como a capacidade de ver o histórico dos últimos bots contactados ou encontrar novos. Outro novo recurso é o Código Messenger, uma espécie de QR code que permite a interação entre o aplicativo e o mundo real, através da câmera. A empresa também acrescentou a capacidade de usar bots em grupos. Por fim, aperfeiçoou a M, sua assistente virtual, e sua plataforma de jogos, que agora podem ser mais complexos e também usar bots. O Messenger tem 1,2 bilhão de usuários no mundo.

Anterior Lançamento do SGDC só 10 dias após o fim da greve na Guiana
Próximos Receita do Yahoo! cresce 22% no trimestre