Fábrica de cabos ópticos vai dobrar produção até final de 2016


A planta da joint venture entre a brasileira Conduspar e a indiana Sterlite para a fabricação de cabos ópticos nem bem iniciou a produção e já vai dobrar a capacidade até o ano que vem. O anúncio foi feito hoje (3) em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba (PR), em evento solene. Para conseguir o feito, a empresa vai investir mais R$ 30 milhões, ampliando o potencial de volume para 2 milhões de quilômetros de cabos por ano.

A fábrica começou a operar em novembro. A primeira fase demandou um investimento também de R$ 30 milhões. De lá pra cá, a empresa fechou contrato com as operadoras GVT e TIM. Suficiente para garantir parte da meta para o ano, de faturar R$ 80 milhões. O número deve ser atingido também com a demanda entre os provedores regionais e na América Latina, “com exportação para Chile, Colômbia, Costa Rica e Peru”, explica André Abage, diretor executivo da Conduspar. Outra etapa, sem previsão para acontecer, prevê construção de uma fábrica de fibra óptica e de um centro de pesquisa de pequeno porte.

PUBLICIDADE

O indiano Rajiv Nayyar, vice-presidente e diretor mundial de vendas e marketing da Sterlite, chegou ao Brasil no domingo para firmar o memorando de entendimento com a Conduspar para ampliar os investimentos no país. Até 2013, a Sterlite participava do mercado nacional por meio de distribuidores parceiros, e agora, se torna também uma fabricante local.

“A América Latina tem uma demanda por 10 milhões de quilômetros de fibra óptica, sendo o Brasil responsável pela maior porcentagem”, disse, justificando a estratégia. Inicialmente, a fábrica vai montar os cabos. A fibra óptica será toda importada da Índia, enquanto os demais componentes serão brasileiros. A intenção é atender às cotas de conteúdo nacional para recorrer a linhas de financiamento do BNDES.

Nayyar também reconhece a oportunidade de crescimento com o projeto Banda Larga para Todos, do governo federal. A iniciativa, promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff, pretende levar fibra óptica a 90% dos municípios brasileiros e elevar a velocidade média da banda larga oferecida no Brasil a 25 Mbps até 2018.

  (*O repórter viajou a convite da Conduspar)

PUBLICIDADE
Anterior Sony lança novos aparelhos
Próximos Brasil vai consumir 9 milhões de KM de cabo óptico em 2018, prevê MiniCom