Extensões digitais e personalizações via 3DP são futuro do mercado de consumo, prevê Gartner


Até 2017, 50% dos investimentos em produtos de consumo serão redirecionados para inovações na experiência dos consumidores, prevê o Gartner, empresa de aconselhamento na área de TI. Já em 2015, as perspectivas são de que mais da metade dos produtos de consumo tradicionais terão extensões digitais nativas para enfrentar a hiperconcorrência.

“Em muitas indústrias, a hiperconcorrência desgastou as vantagens de produtos e serviços tradicionais, fazendo com que a experiência dos clientes seja o novo campo de batalha e isto não é menos verdadeiro nos mercados de produtos de consumo, que enfrentam uma pressão desproporcional de produtos básicos à medida que o acesso dos consumidores às informações de preços e produtos via pesquisa e canais sociais minam a fidelidade às marcas”, destaca o Gartner no estudo. Para a empresa, a inovação, focada em novos produtos – e até mesmo novos modelos de negócio –, está sujeita a períodos de naufrágio das vantagens competitivas.

PUBLICIDADE

“Os concorrentes e as alternativas são abundantes, e a inovação dos produtos está sujeita a acelerar a comoditização. A inovação da experiência dos clientes permanece sendo o segredo para uma fidelidade à marca duradoura”, apontam as previsões, que serão apresentadas no Symposium/ITxpo 2014, que acontece entre os dias 27 e 30 de outubro, no Sheraton São Paulo WTC Hotel.

Produtos personalizados

Ainda de acordo com o estudo, até 2017, quase 20% dos e-tailers (e-varejistas) de bens duráveis usarão impressão em 3D para criar ofertas de produtos personalizados. Na projeção do Gartner, até 2015, mais de 90% dos e-tailers de bens duráveis vão buscar ativamente parcerias externas para dar suporte aos novos modelos de negócio de produtos ‘personalizados’.

Para a empresa de aconselhamento, a 3DP já está causando um profundo impacto na viabilização de startups para que reduzam os custos de infraestrutura, em comparação aos processos de manufatura tradicional existentes. “À medida que os consumidores mostram um apetite cada vez maior para controlar mais recursos e capacidades dos produtos, os e-tailers estão reconhecendo que o potencial de negócios de passar de produtos ‘configuráveis’ para produtos ‘personalizados’, feitos por encomenda, viabilizou a 3DP”, aponta o levantamento.

O estudo ressalta que todas as categorias de bens duráveis verão a emergência da personalização viabilizada pela 3DP e os fabricantes desenvolverão capacidades para trazer os consumidores mais próximos da experiência de design/projeto. As empresas que organizarem as estratégias antes vão acabar por definir o espaço nessas categorias, prevê o Gartner. “Isso requer uma cultura corporativa que apoie produtos ‘sem conformidade’, novas capacidades de negócio de ‘concierge’ nas linhas de frente e equipes administrativas com capacidades operacionais e de TI. Isso vai exigir uma nova agilidade além da automação rígida dos processos e poderá requerer sistemas de negócio completamente novos”, sustenta a empresa.(Com assessoria de imprensa)

PUBLICIDADE
Anterior Com foco no Novo Mercado, Oi quer agrupar 10 ações em uma
Próximos A consolidação da Oi não muda se houver troca de governo, afirma Otávio Azevedo.