Everis entra no segmento de gestão de infraestrutura de rede móvel


A consultoria de Negócios e TI do Grupo NTT Data Everis entrou na disputa pelos grandes clientes do mercado de telecomunicações. A consultoria em tecnologia espera atrair operadoras brasileiras para suas soluções de inteligência artificial, internet das coisas e realidade aumentada. O foco é atender as áreas de organização e manutenção (O&M) das telcos, melhorando o monitoramento de recursos.

Para isso, a empresa criou uma area de Smart Operations, que utiliza a plataforma própria Quanta para automação, monitoramento e manutenção preditiva ou sistemas automatizados de auditoria e inventário.

PUBLICIDADE

“A ideia com esse tipo de serviço é entrar em área onde nunca tivemos presença, de manutenção de rede. Estamos investindo alto. Queremos que ter ao menos um projeto assinados até final de março de 2022. Lá fora, já temos contrato com uma operadora da Espanha e outra da Alemanha. E estamos disputando um acordo no Reino Unidos”, revela Marco Galaz, sócio de telecomunicações da Everis Brasil

Ele cita que uma das possibilidade do serviço reside em utilizar drones para fazer a análise de pontos da rede, em vez de colocar técnicos em risco, por exemplo. Outra aplicação possível é usar um smartphone como tela de realidade aumentada, com o aparelho apontado as instruções de reparo na tela, conforme o técnico focaliza os aparelhos dentro de uma estação.

“Essa necessidade tende a se ampliar com a chegada do 5G, que exigirá monitoramento e controle mais precisos de um grande volume de torres e sistemas, distribuídos por todo o território nacional”, afirma.

Segundo o executivo, as soluções garantem redução de mais de 15% no volume de manutenções, de 25% no consumo de energia e de até 60% nos custos endereçáveis, aumentando ao mesmo tempo a disponibilidade da rede e diminuindo o tempo de reação.

“Nossa plataforma possibilita o monitoramento e controle dos diversos equipamentos e segurança do site, gera alertas em caso de anomalias para tomada de decisão e parametrização dos níveis de segurança. Para isso, diferentes sensores são integrados e conectados por meio de uma plataforma de gateway para IoT, que assegura a visualização dos dados lançados e sua análise remotamente. Estamos prontos a participar de mais este processo de transformação das empresas de telecomunicações e acreditamos que ocorrerá a médio prazo”, acrescenta Galaz.

Segundo ele, um grupo europeu que tem subsidiária no Brasil já contratou o serviço e deve trazer para o país em breve. Galaz não quis revelar qual. Dentre operadoras com controlador europeu no país temos Telefônica Vivo e TIM. Mas todas as teles locais já avaliam se devem ou não investir na nova tecnologia.

Anterior Lei de inteligência artificial do Ceará pode sufocar inovação, diz Abes
Próximos Abert quer que big techs sejam responsabilizadas por conteúdo impulsionado