Eutelsat vê oportunidade na migração de canais de TV para a banda C planejada


A Eutelsat lançou hoje, 5, a solução “C Planejada” para radiodifusores. O produto adapta ou substitui os equipamentos das emissoras cabeças de rede para que a transmissão de sinais por satélite da TV aberta aconteça na chamada banda C planejada, que compreende o espectro de 4,5 a 4,8 GHz.

A solução foi criada para resolver os problemas de interferência previstos para acontecer na recepção profissional do sinal da banda C tradicional – entre 3,7 GHz e 4,2 GHz- em decorrência do uso da faixa de 3,5 GHz para o 5G, conforme a companhia.

PUBLICIDADE

Hoje, a banda C tradicional abriga 27 redes de TV com quase 600 emissoras em todo o Brasil. Enquanto a transmissão do sinal direto para a casa dos telespectadores (TVRO), deve ser resolvida com o uso de filtros para mitigação de interferências, o mercado ainda precisa resolver como levar os sinais das cabeças de rede.

A proposta da Eutelsat é levar o tráfego para seu satélite 65 West A. Lançado em março de 2016 e ocupando a posição 65º Oeste, o satélite opera na faixa de 4,5 a 4,8 GHz, longe da futura zona de interferência do 5G. A migração para o C Planejada pode ser realizada com uma simples substituição de alguns equipamentos e o reapontamento das antenas para a posição orbital brasileira de 65°W.

“Migrar para o Eutelsat 65WA significa para emissoras como Globo, Bandeirantes, SBT, Record e suas afiliadas, a certeza de não ter preocupação futura com interferências do 5G nos seus sinais”, diz Rodrigo Campos, presidente da Eutelsat. Ele já defendia o uso da banda C planejada como solução para as interferências, mas a medida não foi acatada pela Anatel ou MCTIC, e o mais provável até o momento é que a agência decida mesmo pela convivência do IMT com os sinais de satélite na banda C. (Com assessoria de imprensa)

Anterior 46 operadoras no mundo lançaram redes comerciais 5G
Próximos Positivo Tecnologia reverte prejuízo e lucra R$ 20,8 milhões em 2019